Pazuello negociou vacina pelo triplo do preço e mentiu na CPI

Pazuello em reunião para comprar vacinas com triplo do preço das adquiridas com o Instituto Butantan. Foto: Reprodução

Em vídeo obtido pelo monopólio de imprensa Folha de São Paulo, o ex-ministro da saúde Eduardo Pazuello aparece fechando negócio com representantes de empresa para a compra de vacinas CoronaVac pelo triplo do preço pago pelo Instituto Butantan pela mesma vacina.

No vídeo, datado do dia 11 de março, quando o general ainda era ministro da saúde, Pazuello aparece ao lado de intermediários de uma empresa chamada World Brands, sediada em Santa Catarina.

O ex-ministro afirma que o mistério se comprometeu após a reunião a comprar 30 milhões de doses da vacina CoronaVac, pelo preço de 28 dólares por dose. O valor é quase o triplo do valor pago pelo governo federal dois meses antes para a aquisição de 100 milhões de dólares do Instituto Butantan, que vendeu as doses por 10 dólares cada.

Após a reunião, Pazuello disse que assinou um memorando se comprometendo a celebrar o contrato para a compra do imunizante pelo valor ofertado pela empresa.

"Nós estamos aqui reunidos no Ministério da Saúde, recebendo comitiva liderada pelo John. Uma comitiva que veio tratar da possibilidade de nós comprarmos 30 milhões de doses, numa compra direta com o governo chinês. E já abre também uma nova possibilidade de termos mais doses e mais laboratórios. Vamos tratar na semana que vem. Mas saímos daqui hoje já com memorando de entendimento assinado e com o compromisso do Ministério de celebrar, no mais curto prazo, o contrato", afirmou o ministro no vídeo após a reunião.

A negociação desmente a versão dada por Pazuello quando questionado na Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) se ele negociava compra de vacinas.

"Eu sou o dirigente máximo, eu sou o decisor. Eu não posso negociar com a empresa. Quem negocia com a empresa é o nível administrativo, não o ministro", disse Pazuello à CPI, no dia 20 de maio.

Outro ponto questionável é que tal encontro não consta na agenda oficial de Pazuello, do dia 11 de março e a atual gestão do Ministério da Saúde diz desconhecer tal negociação.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin