Norte de Minas: Com barricadas, camponeses bloqueiam BR-365 em protesto contra o governo militar genocida de Bolsonaro

Camponeses protestaram por mais de duas horas . Foto: Banco de Dados AND

No dia 15 de julho camponeses organizados pela FNL - Frente Nacional de Luta e pela LCP - Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia bloquearam por mais de 2 horas a BR 365 que liga Montes Claros ao triângulo mineiro. Cortinas de fumaça se formaram das barricadas de pneus e galhos em chamas nas extremidades da ponte sobre o rio Jequitaí.

As bandeiras vermelhas tremularam erguidas pelos camponeses e grandes faixas conclamaram: Abaixo o governo militar genocida de Bolsonaro!, Incra: maior grileiro de terras no Brasil!, Frente Nacional, a luta é geral! Terra, trabalho, moradia e liberdade!, Viva a Revolução Agrária! e Liberdade para os 4 camponeses presos em Rondônia!.

Palavras de ordem e intervenções de companheiras e companheiros denunciaram a grave situação do povo brasileiro com mais de 20 milhões de desempregados, aumento do custo de vida e o genocídio cometido pelo velho Estado brasileiro na pandemia. 

Durante protesto, os manifestantes também exigiram vacinação imediata para todo o povo. Foto: Banco de Dados AND

A combativa manifestação com o fechamento total da rodovia é parte do levantamento dos camponeses por todo país dirigido pelas duas organizações e se junta a heroica resistência dos camponeses de Rondônia que tem enfrentado o cerco covarde do velho Estado e forças do latifúndio conluiados na vã tentativa de afogar em sangue a luta camponesa. Esta manifestação se une também à heroica resistência dos camponeses dos Acampamentos Manoel Ribeiro, Tiago dos Santos, Ademar Ferreira e a tantos pelo país afora, como em Bambuí/MG que resistem aos ataques de pistolagem e às centenas de ordens de despejo, dadas pelo judiciário latifundiário, o mesmo do qual faz parte a juíza Lilian Pegoraro Bilharva que mantém 4 jovens camponeses presos em Rondônia, após campanha caluniosa e sem nenhuma prova contra eles. 

Os camponeses levantaram alto a bandeira da luta pela terra, reafirmando que nenhuma violência ou berreiro podem detê-la em sua saga pela democratização da propriedade da terra em nosso país, defenderam a justa resistência indígena por seus territórios e repudiaram os covardes ataques cometidos por bandos do latifúndio e velho Estado. 

O ato classista, combativo e internacionalista realizou a queima das bandeiras imperialistas dos EUA e Israel, ao mesmo tempo que desfraldou a bandeira da Palestina, que era ostentada pela brava juventude camponesa!

Camponeses queimaram as bandeiras do imperialismo ianque (USA) e do sionismo (Israel). Foto: Banco de Dados AND

Enquanto isso, o engarrafamento só crescia e as barreiras tiveram que enfrentar policias e valentões que se aventuraram em vão a tentar atravessá-las. Um policial a paisana empunhou uma pistola contra os companheiros forçando a passagem com seu carro, porém se viu obrigado a voltar de ré do meio da ponte até o local de onde não deveria ter saído, quando as massas receberam ordem para impedi-lo, o que foi cumprido prontamente, impondo a autoridade das mesmas com advertências, mastros de bandeiras e gasolina. Uma camponesa guiou com contundência o invasor até o seu devido lugar, lançando imprecações, dando exemplo de grande decisão.

Uma viatura da PM de Jequitaí chegou e nada pode fazer por dois motoristas histéricos que queriam passar a qualquer custo. Um dos motoristas encorajou-se com a presença da viatura e tentou arrancar um tronco que estava recém colocado, um dos policiais disse para não fazer aquilo pois iria dar confusão e que seria pior pra eles, pois estavam em minoria. 

Famílias inteiras que ficaram paradas no bloqueio se dirigiam até a manifestação para fazer selfies e alguns declararam abertamente o apoio, dizendo que aquilo era lindo, defendendo o protesto para outros que aproximavam. 

Barricada com chamas erguidas pelo protesto camponês. Foto: Banco de Dados AND

O vigoroso ato marcado com fogo deslinda campo com oportunistas eleitoreiros que tentam manipular as manifestações para marchas pacíficas e carnavalescas onde cavalgam nos interesses das massas em luta, tentando convencer a opinião pública de que o problema do Brasil é só Bolsonaro, buscando seu impeachment e promover o general Mourão, para continuar o mesmo governo militar genocida, apontando como solução dos problemas do povo, a farsa das eleições em 2022.

Após entoar as canções de luta e bradar as consignas de “é terra, é terra, pra quem nela trabalha e viva agora e já a revolução agrária!” “É morte, é morte ao latifundiário e viva o poder camponês e operário!” “conquistar a terra, destruir o latifúndio!” “Viva a LCP!” “Viva a FNL!” “Viva a aliança operário-camponesa!” os camponeses encerraram o ato com a cabeça erguida, com grande orgulho e o coração em chamas, reafirmando a certeza no caminho da luta combativa, classista e independente!

Camponeses também levavam cartazes exigindo titulação imediata das terras. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin