Golpe militar em curso: Ministro da Defesa ameaça impedir eleições

General Braga Netto fez ameaça de golpe militar ao presidente do Congresso, Arthur Lira, como revelou O Estado de S. Paulo. Foto: Ricardo Moraes

O general Braga Netto, Ministro da Defesa do governo militar genocida de Bolsonaro, fez, através de um interlocutor político, uma séria ameaça ao presidente do Congresso, Arthur Lira: ou as eleições de 2022 ocorrerão com voto impresso ou não ocorrerão. Isso é o que afirma o jornal monopolista Estado de S. Paulo. A imprensa reacionária colheu tais informações de interlocutores em anonimato. Todos os envolvidos dizem que tal fato não ocorreu.

Os generais não precisam necessariamente cancelá-las para garantir o rumo da marcha política (caso apenas extremo!), mas podem e, pelo desenvolvimento das tendências eleitorais, vão conduzir e influenciar diretamente em seus resultados por processos outros. Neste contexto, a ocorrência ou não de eleições próximas é tema secundário - Leia mais em: Editorial Quem deterá os criminosos fardados?

Tal ameaça, segundo as fontes, ocorreu no dia 8 de julho, e o Ministro da Defesa estava acompanhado de chefes militares do Exército, Marinha e Aeronáutica. No mesmo dia, o fascista Bolsonaro voltou a proferir essa ameaça, que tem sido repetida com frequência: "ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não teremos eleições". Ainda segundo o monopólio de imprensa, Lira disse a um restrito grupo de pessoas que estava "muito preocupado" com essa situação "gravíssima".

O monopólio de imprensa publicou falas de algumas fontes, todas em condição de anonimato. “A conversa que eu soube é que o ministro da Defesa disse a um dirigente de partido: ‘A quem interessar, diga que, se não tiver eleição auditável, não terá eleição’. Teve um momento de muita tensão. Não foi brincadeira, não”, disse "um dos envolvidos no assunto".

Revelando a gravidade da crise institucional e a divisão no seio dos reacionários, vários chefes políticos das classes dominantes se pronunciaram.

Um ministro do STF, também anônimo, disse que "os militares estão tentando fazer uma ameaça" e que buscam repetir o que foi feito por Villas-Bôas, em 3 de abril de 2018, quando publicou mensagem pública constrangendo a Suprema Corte a ser contra o Habeas Corpus de Luiz Inácio.

Os últimos 30 anos provam que as eleições periódicas não são empecilho para o alijamento das massas do processo político, senão que, em situações normais de temperatura e pressão, são mesmo a forma mais eficaz de fazê-lo - Leia mais em: Editorial Quem deterá os criminosos fardados?

Já outro ministro, dessa vez em público, Gilmar Mendes, afirmou que no país “não há espaço para coações autoritárias armadas”. “Os representantes das Forças Armadas devem respeitar os meios institucionais do debate sobre a urna eletrônica”, posicionou-se.

Até mesmo o embaixador ianque no Brasil, Todd Chapman, pronunciou-se escondendo que haja "ameaças de golpe" no Brasil, buscando atenuar e não ser contrário ao que está à vista de todos. "Para nós, a democracia é inegociável", começou, como se fosse proprietário do Brasil, "e o Brasil é um país superdemocrático", dissimulou. Disse ainda que não existe receio de golpe e que o principal problema do país não é um golpe, mas sim a corrupção, citando em seguida esquemas no governo do PT.

O contexto

A situação ocorre em meio à tramitação de uma proposta de emenda à Constituição para realizar as eleições através do voto impresso; Bolsonaro tem grande possibilidade de perder esse embate. Ao mesmo tempo, ocorre também em meio ao avanço da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid que está revelando indícios de crimes, inclusive de corrupção, cometidos por altos oficiais da reserva e, inclusive, da ativa das Forças Armadas reacionárias, como o próprio general Pazuello; podem ser tais pronunciamentos uma forma da direita militar no Alto Comando chantagear a direita tradicional (parlamentar) para que dê "última forma" na exposição dessa corrupção militar. 

Abertamente favoráveis ao voto impresso estão alguns generais, como Luiz Eduardo Ramos, ex-ministro da Casa Civil, e o comandante da Aeronáutica, defendendo tal forma como a mais legítima e condição para manter a "transparência da democracia". Como muito provavelmente será impossível aplicar, ainda que se queira, o voto impresso, o pronunciamento dos altos oficiais indicam, desde já, o questionamento do futuro resultado das eleições que, sendo favorável ao oportunismo, se confrontará com enorme agitação bolsonarista nos quartéis e na sociedade polarizada. Desagradando e sendo ilegítimo, o resultado das eleições não precisa ser respeitado, deixando a porta aberta para sua violação; e em última instância, só quem pode nessas situações impor sua vontade são aqueles que manejam as armas. 

Se uma coisa provam os recentes episódios é que não está nas urnas a solução para a tragédia brasileira. Esta radica na luta das massas do campo, principalmente, e também da cidade, mobilizadas em defesa dos seus interesses mais sentidos, e passo a passo engajadas na luta pelo Poder. Contra esta muralha, nada poderão os criminosos fardados - Leia mais em: Editorial Quem deterá os criminosos fardados?

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin