Filipinas: Novo Exército do Povo avança guerra popular em meio à crescente repressão do velho Estado 

Pôster da Frente Nacional Democrática das Filipinas, demonstrando a união de operários, camponeses, nacionalidades oprimidas, intelectuais e progressistas se unindo sob a bandeira da frente, impulsionada pelas amplas massas a avançarem a revolução. Foto: Philippine Revolution Web Central.

No dia 15 de julho, o Partido Comunista das Filipinas (PCF) emitiu nota acerca das recentes anomalias financeiras das Forças Armadas Filipinas (FAF) e a Polícia Nacional Filipina (PNF) descobertas pela Comissão de Auditoria das Filipinas (CAF), órgão constitucional com a função primária de auditar os fundos e propriedades do velho Estado Filipino.

Em nota, o Diretor de Informação do Partido Comunista das Filipinas, Marco L. Valbuena, denunciou que “irregularidades nos fundos das FAF e PNF no último ano foram contabilizadas em pelo menos 8,6 bilhões de pesos filipinos (888 milhões de reais) envolvendo projetos de ‘modernização incompletos’, fundos não liberados e não utilizados, aquisições não entregues e transações sem notas fiscais”, acrescentando que é “altamente provável que esta seja apenas uma pequena parte das gigantescas operações de produção de dinheiro envolvendo os generais e oficiais das FAF e do PNF, bem como os oficiais corruptos do regime de Duterte”, uma vez que o CAF “só pode detectar anomalias em transações oficiais que tenham ou devam ter um rastro de papel”, sendo incapaz de verdadeiramente expôr o nível de corrupção do alto comando das FAF.

Concluindo a nota, o PCF delineia as tarefas do Novo Exército do Povo (NEP), que deve “tirar proveito da falta de coesão e incapacidade das FAF e do PNF de cooperar e coordenar suas ações”, causadas pela “corrupção de baixo para cima”, que “agrava a desunião e intensifica o faccionalismo dentro das forças reacionárias”, sintetizando que as grandes massas, “especialmente as massas camponesas no campo, estão plenamente conscientes e enfurecidas de como os militares e seus oficiais os defraudam e os oprimem. Ao saquear o dinheiro do povo, as forças reacionárias estão apenas alimentando o desgosto do povo, galvanizando-os a tomar medidas contra a opressão militar e policial e incitando-os a travar uma luta revolucionária”, demonstrando que a ação contrarrevolucionária serve somente para intensificar a revolução e o alistamento das massas na guerra popular.

Frente Nacional Democrática das Filipinas é criminalizada sob designação de grupo ‘terrorista’

Em resolução datada de 23 de junho, mas somente publicada no dia 17 de julho, o ‘Conselho Anti-Terrorista’ (CAT) do velho Estado fascista Filipino designou a Frente Nacional Democrática das Filipinas (FNDF) enquanto organização ‘terrorista’, citando suas conexões com o Partido Comunista das Filipinas e o Novo Exército do Povo, de acordo com o portal da FNDF. 

O Partido Comunista das Filipinas e a Frente Nacional Democrática das Filipinas rechaçaram abertamente esta tentativa de empunhar a lei 'Anti-Terrorista' para oprimir o povo. Destacam que a designação, apenas meses após a mesma foi colocada sobre o Partido Comunista e o Novo Exército do Povo, "estabelece ainda mais as bases para uma repressão geral contra as forças patrióticas, progressistas e democráticas que lutam vigorosamente contra o regime terrorista de Duterte e resistem a seus esquemas para se perpetuarem no poder".

A FNDF também relembra que muitos apoiadores e consultantes da mesma já foram assassinados pelas forças reacionárias, comprovando que a lei 'Anti-Terrorista' serve somente para oficializar aquilo que já era praticado, sinal de reacionarização do velho Estado, e enfatiza a arbitrariedade em aplicar o método de "criminalização por associação" e ignora completamente o processo judicial previsto por lei, uma vez que a FNDF é composta por muitas organizações democráticas que não se intitulam comunistas, "incluindo a organização "Cristãos para a Libertação Nacional", os padres da Igreja Católica e Independente das Filipinas, pastores protestantes, freiras, diáconos e outras pessoas religiosas".

Concluindo sua nota, a FNDF afirma que "os ataques terroristas da quadrilha fascista Duterte se intensificarão e também terão como alvo os ativistas legais, defensores dos direitos humanos, críticos e oposicionistas que serão arbitrariamente rotulados como membros e associados da FNDF", e que "as amplas massas populares não têm outra escolha senão intensificar todas as formas de luta revolucionária, especialmente a luta armada, a fim de defender a soberania nacional, seus direitos democráticos e o bem-estar contra o regime de Duterte de traição, tirania, genocídio, pilhagem e engano em massa.".

Novo Exército do Povo aniquila tropas fascistas em ofensivas táticas e defende os direitos das massas

Desfraldando sua política para o atual estágio de desenvolvimento das forças revolucionárias, sintetizada na palavra de ordem “Frustrar a perversa guerra contrarrevolucionária do regime fascista USA-Duterte! Empenhar-se em levar adiante a guerra popular!”, o Novo Exército do Povo promoveu séries de táticas ofensivas desde o início do ano de 2021, demonstrando o justo caminho a ser percorrido pelos revolucionários, “vigorosamente levando adiante o movimento de massas antifeudal como a chave para despertar, organizar e mobilizar as massas camponesas no campo”. 

No dia 14 de julho, o Novo Exército do Povo, na região do Nordeste de Samar, Comando Rodante Urtal (NEP-CRU), reportou que haviam lançado operações consecutivas com atiradores de elite contra tropas do 20º Batalhão de Infantaria do velho Estado Filipino. Os residentes da região disseram ao NEP que os soldados estavam entrando em suas casas sem autorização - forçando todos a se renderem - em ação indistinguível das táticas comuns à reação, que busca incriminar camponeses, particularmente camponeses pobres, como sendo integrantes de milícias populares, ou mesmo do NEP, utilizando traidores das massas como forma de inteligência, como é o caso de Christian “Nads” Sabado, suposto ex-guerrilheiro. Após a ação, as massas dos vilarejos próximos foram evacuadas para evitar retaliação imediata da repressão fascista.

De acordo com o NEP-CRU, tamanho foi o pânico das tropas fascistas que estes retaliaram com um canhão howitzer de 105mm, disparando três tiros na região, além de disparar em direção aos céus com seus rifles, para intimidar o NEP - perdendo seu tempo, uma vez que os combatentes vermelhos já haviam se retirado. Na mesma região, o NEP-CRU informou também ter aniquilado o capitão da barangay de San Andres, Crispin “Espot” Nali Mordido, durante ofensiva tática bem-sucedida no último dia 10 de julho, acrescentando que o capitão, integrante do esquadrão de morte do 20º Batalhão, também forçava civis inocentes a “se renderem” como integrantes do NEP.

Na região do oeste de Visayas, uma unidade do NEP numa frente guerrilheira da região foi capaz de realizar vitoriosa reunião de massas camponesas de 20 bairros e sítios próximos, forjando, junto das massas, um plano para destruir as campanhas de “rendição” conduzidas pelas FAF e avançar resolutamente a Revolução de Nova Democracia, para derrotar a opressão e o fascismo do regime Duterte, aconselhado diretamente pelo imperialismo ianque. 

A assembleia ouviu denúncias de que, desde abril deste ano, as forças reacionárias do velho Estado têm conduzido rendições, interrogações, prisões arbitrárias e ilegais, além de assassinatos, na região. Um civil presente lamentou não ter conseguido contatar os combatentes vermelhos durante a onda repressiva, mas reiterou seu desejo contínuo de fazer revolução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin