Colômbia: Juventude combativa se rebela no dia da ‘independência’ colombiana

Um massivo e combativo protesto convocado pela juventude revolucionária da Colômbia foi realizado em Medellín no dia 20 de julho, dia da “independência” da Colômbia. O protesto rechaçou a falsa independência do país, afirmando que ainda são subjugados pelo imperialismo ianque. Durante a manifestação, que durou um dia inteiro, a juventude revolucionária queimou bandeiras do Estados Unidos (USA) e realizou diversas pichações de cunho internacionalista.

Os manifestantes entoavam palavras de ordem como Não queremos, não queremos ser uma colônia norte-americana, queremos sim, lutaremos juntos, por uma Colômbia livre e soberana!; Fora ianques, da Palestina, Iraque, Venezuela e de todo o mundo! e Somos estudantes, não somos pacifistas, viva a luta anti-imperialista!

O jornal revolucionário colombiano, o El Comunero, afirma que o protesto da juventude combativa foi realizado paralelamente a um protesto convocado pelo oportunismo, sendo que esse teve muitos poucos participantes. 

A mobilização foi exitosa, apesar de o Comitê Nacional de Greve [CNP, na sigla original] não ter convocado uma marcha e sim um show no setor Parques del Río, no centro da cidade (o mesmo se fez em outras cidades). Além disso, apesar de o Estado e os meios de comunicação monopolistas terem realizado uma campanha terrorista preventiva (ameaças de despejo no campo do Parque da Resistência, toque de recolher noturno, estigmatização dos protestos afirmando que são organizados pelo ELN [Exército de Libertação Nacional], etc.) para que o as massas evitassem sair às ruas”, afirma o jornal.

A grande manifestação da juventude combativa começou às 11 horas da manhã, no Parque da Resistência (rebatizado assim pelos manifestantes), e seguiu ao centro da cidade, onde as forças oportunistas organizavam seu passeio. A marcha foi acompanhada por uma enorme força policial, que espreitava a mínima chance de reprimir a ferro e fogo os jovens.

Após três horas do início, a marcha popular chegou ao local onde acontecia a manifestação organizada pelo CNP e outras forças oportunistas. As massas começaram a entoar palavras de ordem contra os oportunistas e foram reprimidas pela polícia. 

A “festa” que ocorria no centro da cidade teve de ser cancelada pelos duros embates que aconteceram entre os jovens rebelados e a polícia.

Mesmo assim, a multidão continuou seu justo protesto, voltando ao Parque da Resistência. No caminho, foram pichadas palavras de ordem em apoio aos quatro camponeses presos políticos em Rondônia.

Ainda foram vistas pichações com as palavras de ordem: Despertar a fúria revolucionária da mulher!, Apenas a revolução agrária dará terra aos camponeses pobres! Terra para quem nela trabalha!e Levantar o campesinato para a Revolução Agrária!

Além disso, em determinado momento da manifestação, quando os manifestantes passavam por uma passarela, foi pendurado um boneco representando um agente do Esquadrão Móvel Anti-motim pelo pescoço e queimando-o. Foram denunciadas, também, as prisões de dois jovens manifestantes em Medellín nos protestos recentes.

A manifestação seguiu até as 23 horas, terminando no bairro Morávia.

Segue, aqui, as imagens do protesto:

Juventude revolucionária queima bandeira ianque. 

Manifestação massiva do dia 20 de julho.

Massas enfrentam a polícia.

Ativista cola cartaz escrito O comitê de greve não nos representa! A greve é dos de baixo, e não sairemos das ruas!

Juventude revolucionária queima bandeira ianque. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin