Incêndio na Cinemateca Brasileira escancara sucateamento sistemático

Reprodução: S.O.S Cinemateca Brasileira

No dia 29 de julho, um depósito da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina (São Paulo), que armazenava cerca de 4 toneladas de material diverso em seu acervo, pegou fogo. 

Fundada em 1946, a Cinemateca Brasileira abriga mais de 250 mil rolos de filmes e mais de um milhão de documentos; tratando-se do maior acervo de seu tipo em toda a América do Sul. À despeito de sua importância para a preservação e memória da cultura nacional, tem sido sistematicamente sucateada, o que resultou em casos similares como um outro incêndio em 2016 e uma inundação em 2020; além de notícia circulada em maio deste ano denunciando que entre os 15 meses de fechamento da Cinemateca, entre 600 e 1000 filmes compostos de nitrato e acetato, podem ter sido degradados por completo. 

O risco de incêndio já havia sido alertado nove dias antes pelo Ministério Público Federal (MPF) em audiência com o governo federal, enquanto trabalhadores e apoiadores da Cinemateca Brasileira vêm alertando sobre esses e outros riscos de maneira constante. Em julho de 2020, o MPF entrou em ação civil pública contra a União alegando “estrangulamento financeiro e abandono administrativo”.

TRABALHADORES DENUNCIAM

Num manifesto assinado por Trabalhadores da Cinemateca Brasileira e publicado na página S.O.S Cinemateca Brasileira (@soscinematecabrasileira no Instagram), intitulado “Crime Anunciado!”, denuncia-se que “muitas perdas poderiam ter sido evitadas se os trabalhadores estivessem contratados e participando do dia a dia da instituição” e associam ao incêndio no Museu Nacional em 2018. Em outro manifesto, publicado em 12 de abril nesse mesmo portal, os trabalhadores já alertavam que “o risco de um novo incêndio é real”. 

A falta de funcionários é uma realidade desde que o governo rescindiu unilateralmente o contrato com a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), uma Organização Social (OS) que administrava a Cinemateca. Os trabalhadores da associação, em 2020, denunciaram que a rescisão deixou uma dívida de R$ 12 milhões à entidade, além da demissão de 150 funcionários sem benefícios. Desde então, o destino da administração tem sido incerto.

Parte significativa do material, como os rolos de filme, são inflamáveis e precisam de cuidados especiais para não serem superaquecidos. Todavia, está fechada e sem funcionários desde agosto de 2020. Desde então os funcionários da Cinemateca, assim como intelectuais, pesquisadores, artistas e diretórios acadêmicos, têm se manifestado em defesa do acervo e pela preservação da cultura nacional como uma reivindicação geral.

“O incêndio da noite de ontem é mais um motivo pelo qual não podemos esperar para dar um basta à política de terra arrasada e de apagamento da memória nacional!”, disse o manifesto assinado pelos trabalhadores da Cinemateca.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin