MA: Em encontro, camponeses e apoiadores reafirmam o caminho da luta pela terra 

Grandiosa audiência é realizada em Arari, no Maranhão. Foto: Fóruns e redes de Cidadania do Maranhão

No dia 21 de julho, aconteceu uma grande audiência pública e popular, no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR), em Arari, Maranhão (MA). No encontro, camponeses e apoiadores reafirmaram o caminho da luta e denunciaram a violência no campo brasileiro, com ênfase no estado do MA, que em apenas um ano cresceu em 102,85% os conflitos por terra, de acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Camponeses e apoiadores reafirmam o caminho de luta e resistência. Foto: Fóruns e redes de Cidadania do Maranhão

Estiveram presentes na assembléia Fóruns e Redes de Cidadania do Maranhão, Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Arari (STTR), Associação Brasileira de Advogados do Povo (Abrapo), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Liga dos Camponeses Pobres (LCP), Brigadas Populares (Sudoeste do Pará), Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), Federação dos Trabalhadores Rurais do Maranhão (Fetaema), Quilombo Urbano, Sindicato dos Bancários do Maranhão (SEEB), Povo Akroá-Gamella, Movimento Mulheres em Luta (MML).

As diversas organizações concordaram e se comprometeram a seguir junto ao povo na luta pela terra, uma delas é exigir a regularização fundiária da baixada ocidental, acompanhar os inquéritos de criminalização, prisões, assassinado de lideranças.

Em falas, os camponeses afirmaram não serem ingênuos com qualquer representante desse velho Estado, nem com os rotulados como “esquerda” que massacram e assassinam trabalhadores, quilombolas, indígenas e camponeses. Afirmaram que com o regime militar reacionário de 1964, os militares invadiram a Amazônia, fizeram rodovias, hidrelétricas, “o diabo a quatro” e são eles que estão presentes em todos os governos a mando do imperialismo.

A atividade foi repleta de momentos culturais. Foto: Fóruns e redes de Cidadania do Maranhão

Recordaram ainda a fala do governador Flávio Dino (PCdoB), onde este afirmou que o PIB do Maranhão cresceu e que é o segundo maior exportador de grãos. Denunciaram que o governador afirma isso enquanto o povo está passando fome.

Durante o encontro também foi levantada a necessidade de estreitar a relação cidade e campo, sendo para isso  necessário fortalecer a união operária e camponesa.

No início da noite, os participantes da audiência saíram às ruas em marcha sob as consignas: Povos na luta!, a luta continua!É na lei ou na marra!, Povo unido e organizado luta, abaixo as cercas campos livres!. O ato encerrou na praça folclórica no centro da cidade .

Encontro homenageia o camponês Antônio Gonçalo

Conforme denunciado recentemente pelo AND, no Maranhão, em apenas um mês, quatro camponeses foram brutalmente assassinados a mando dos latifundiários. Durante o evento foram feitas várias homenagens, principalmente ao camponês Antônio Gonçalo, assassinado no dia 02 de julho, por pistoleiros. O trabalhador era ativo na luta pela terra ativo na luta pela terra no município de Arari.Convictos os participantes alegaram: Antonio Gonçalo a luta continua e verdadeiramente vingará a tua morte, a luta triunfará!

Lembraram da alegria contagiante de Antônio, afirmando que era impossível não rir quando estava na sua presença, assim como também da sua árdua luta e denúncia do latifúndio. Em homenagem ao camponês realizaram o recital do poema baixo: 

“A terra liberta que tu sonhaste com teus companheiros e companheiras de luta, hoje ainda que triste te abraças de forma definitiva.

Teu sangue jorrado sobre essa terra se junta ao de muitos outros mártires que tombaram nessa árdua luta em forma de denunciar o latifúndio, a cobiça, impunidade e as injustiças.

Era dia de chuva fina a terra molhada exalava o mais puro perfume, a brisa vinda dos Campos libertos de cercas e búfalos tocava teu rosto como se a beijasse pela última vez, foi assim que te despedisse de  tua terra, Flexeiras e de todos nós.”

Antônio Gonçalves, camponês e lutador do povo. Foto: Fóruns e redes de Cidadania do Maranhão

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin