Índia: protestos massivos após estupro e assassinato de criança dalit de 9 anos de idade

Manifestantes queimam um boneco de Narendra Modi (primeiro ministro indiano) e do ministro-chefe de Delhi, Arvind Kejriwal, no dia 3 de agosto.

Centenas de pessoas protestaram na capital indiana, Delhi, no dia 4 de agosto, pelo quarto dia consecutivo. A indignação popular continua a aumentar diante do estupro e assassinato de uma menina de nove anos de uma das castas mais oprimidas da Índia, os Dalit.

Os manifestantes marchavam segurando cartazes exigindo punição aos culpados pelo crime e rechaçando o governo fascista de Narendra Modi. "Queremos justiça", gritavam eles, com cartazes que diziam: "Justiça para a filha da Índia".

Bonecos representando o primeiro-ministro Modi foram incendiadas durante os protestos.

Entendendo o caso

A menina de nove anos havia ido buscar água em um crematório de Delhi, na noite do dia 01/08, de acordo com seus pais. Depois que a menina não voltou por meia hora, o padre do crematório, Radhey Shyam, de 55 anos, ligou chamando a mãe e em seguida mostrou a ela o corpo de sua filha falecida.

De acordo com os pais, o padre do crematório e outros três homens os coagiram a aceitar a cremação do corpo da menina, que se encontrava machucado, com os lábios da criança roxos e as roupas molhadas.

Logo após os pais voltarem para casa, cerca de 200 moradores se reuniram rapidamente para protestar contra o crime.

A violência contra mulheres Dalits

Na hierarquia baseada em castas da Índia, os dalits são aqueles pertencentes a castas mais oprimidas e são conhecidos como os "intocáveis". Eles sofrem discriminação severa e muitas vezes são vítimas de violência sexual e agressão.

Existem 200 milhões de dalits na Índia, de uma população de 1,3 bilhão, de acordo com o censo mais recente.

De acordo com um relatório de 2018 do Escritório Nacional de Dados sobre Crimes indiano, 42.793 casos de crimes contra dalits ocorreram naquele ano - em outras palavras, um dalit foi alvo de crimes a cada 15 minutos na Índia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin