Líbano: Massas se rebelam um ano após a explosão em Beirute e tentam invadir o parlamento

Um manifestante segura a bandeira do Líbano durante confrontos com o exército e as forças de repressão perto da sede do parlamento no centro de Beirute em 4 de agosto. Foto: Patrick Baz

Manifestantes rebelados enfrentaram a polícia libanesa no dia 4 de agosto, aniversário de um ano da grande explosão no porto de Beirute, exigindo responsabilização contra o governo pelo ocorrido que matou 214 pessoas. Os protestos ocorreram a uma curta distância do evento principal organizado pelo velho Estado.

Os enfrentamentos próximos do parlamento, no centro de Beirute, eclodiram entre a tropa de choque e manifestantes que tentaram invadir o prédio principal. A polícia de choque respondeu disparando gás lacrimogêneo e canhões de água e espancando os manifestantes com cassetetes.

Em um comunicado na tarde do dia 04/08, o exército libanês disse que prendera várias pessoas que estavam a caminho para participar das comemorações do aniversário, dizendo que tinham “um grande número de armas e munições em sua posse”. Tais alegações serviram para criminalizar os protestos e na tentativa de desmobilizar as massas.

A Cruz Vermelha relatou que transportou seis manifestantes para o hospital e tratou dezenas de outros no local, isso devido à repressão policial.

A rebelião das massas acontece diante da negligência do governo antes e após o caso. Foi divulgado logo depois da explosão que os nitratos altamente combustíveis que causaram a explosão estavam armazenados ao acaso em um armazém do porto ao lado de outro material inflamável desde 2014, e que vários funcionários de alto escalão do velho Estado ao longo dos anos sabiam de sua presença e não fizeram nada. Ninguém foi responsabilizado pelas mais de 200 mortes e milhares de pessoas feridas.

Foi uma das maiores explosões não nucleares da história - o resultado da ignição de centenas de toneladas de nitrato de amônio após o início de um incêndio.

O triste aniversário ocorre em meio a um colapso econômico e político sem precedentes, o que manteve o país sem um governo em pleno funcionamento por um ano inteiro.

 

'Tudo o que podemos fazer é protestar'

Um ano depois, não houve nenhuma responsabilização pela explosão e a investigação ainda não respondeu a perguntas como quem ordenou o envio dos produtos químicos para o local e por que os funcionários do velho Estado ignoraram os repetidos avisos internos sobre seu perigo.

Tatiana Hasrouty,  filha de uma das vítimas, disse à Al Jazeera que acredita que “os políticos e todos os responsáveis temem o povo. Se os pressionarmos, podemos obter justiça… Eles têm medo de que, se retirarem a imunidade, serão responsabilizados. Tudo o que podemos fazer é protestar, deixá-los temer mais de nós.”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin