RJ: Entidades se opõem à privatização do Palácio Gustavo Capanema

Paulo Guedes, ministro da economia do governo militar de Bolsonaro e Generais, anunciou o possível leilão de 2.236 imóveis para o dia 27 de agosto, entre eles o Palácio Gustavo Capanema (também conhecido como MEC ou Palácio Cultura), localizado no centro da cidade do Rio de Janeiro. Em entrevista à Lauro Jardim, jornalista do monopólio de imprensa O Globo, Guedes tergiversa dizendo que “Não é só uma questão de dinheiro”, mas de garantir sua “conservação” ao pôr nas mãos do mercado financeiro.

O Palácio Gustavo Capanema é uma importante obra arquitetônica do modernismo brasileiro, construída em 1935 por projeto de Lúcio Costa com Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy e outros. Além disso, tem fachada revestida de azulejos e paineis de Cândido Portinari e jardins suspensos de Burle Marx. Por seu caráter de relevância histórica como patrimônio nacional, várias entidades, arquitetos e urbanistas se manifestaram contra a venda, que acontece em meio à flexibilização da venda de imóveis da União, sob amparo da Lei 14.011 do ano passado. 

Em nota de repúdio da Academia Brasileira de Letras (ABL), lê-se que é “impensável que se possa tratar este símbolo do Brasil, moderno e amante das artes, como um simples prédio administrativo a ser vendido para gerar caixa para o Governo Federal”. Ainda que a nota reconheça que o Governo Federal possa intervir para deformar a lei que protegeria o prédio de 16 andares da venda, afirma que este não pode ser vendido por ser tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) e mais nove associações, sindicatos e sociedades de arquitetura e urbanismo publicaram manifesto questionando “Quanto vale um prédio concebido, projetado e construído para ser um símbolo da cultura nacional?”. Haverá, no dia 20/08, uma manifestação em frente ao Palácio intitulada “Trincheira Capanema”, organizada pelo grupo Ocupa MinC RJ.

Governo militar vende-pátria leiloa Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro. Foto: Leonardo Finotti/Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin