Força Aérea do USA vem ao Brasil treinar militares brasileiros para atuarem em ‘guerras irregulares’

No dia 21 de agosto, dois aviões C-17 Globemaster da Força Aérea do Estados Unidos (USAF, na sigla em inglês) desembarcaram na Base Aérea de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, trazendo dois helicópteros modelo Sikorsky MH-60 Pave Hawk em cada uma das aeronaves e 50 militares ianques para realizarem um treinamento conjunto com militares brasileiras, visando simular um cenário de “guerra irregular”.

No treinamento, os militares serão colocados em um cenário de guerra não convencional, também chamada de irregular. Nesse tipo de guerra, os combates se dão contra organizações armadas internas (grupos guerrilheiros ou "subversivos") e não contra outros Estados independentes.

O treinamento denominado Exercício Conjunto (Excon) Tápio 2021 reúne cerca de 900 militares, 30 aeronaves e 16 unidades de infantaria, com militares vindos de diversas partes do país. As atividades acontecem de 16/08 a 03/09. Este é apenas o quarto ano do treinamento, e pela primeira vez contará com forças ianques participando.

Em nota, a Força Aérea Brasileira (FAB) disse que o treinamento com a USAF é uma “oportunidade para o intercâmbio de experiências e desenvolvimento doutrinário da FAB, contribuindo para possíveis participações do país em missões previstas nos acordos de paz da Organização das Nações Unidas (ONU)”.

O responsável por comandar o treinamento é o brigadeiro de ar Clauco Fernando Vieira Rossetto. Sobre o exercício, ele declarou que: “mostramos a capacidade de operar de maneira integrada, coordenada e harmônica, e que essa característica é necessária para que, em uma situação de conflito, as forças tenham o domínio dos seus ambientes de interesse e impeçam que o inimigo faça o mesmo."

Militares do USA desembarcam na Base Aérea de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, para treinarem militares brasileiros em combates típicos de "guerras irregulares". Foto: Sd A. Soares/FAB

Militar afirma que exercício colocará as ForçAs no “mais alto padrão internacional”

O treinamento contará com aviões de caça, transporte, reconhecimento e helicóptero. As forças militares simularão uma situação em que as forças inimigas tentam impedir a progressão das tropas amigas no terreno.

Durante a simulação, as aeronaves A-29 Super Tucano serão utilizadas para apoiar a neutralização dos inimigos em solo, bem como apoio aos helicópteros H-36 Caracal e H-60 Black Hawk em missões de resgate de combatentes em território hostil.

Outras atividades que serão feitas no treinamento incluirão missões de ataque, reconhecimento aeroespacial, infiltração de área, busca e salvamento em combate e outras que não foram divulgadas pela FAB.

Sobre o treinamento, o comandante de preparo, tenente-brigadeiro do ar Sérgio Roberto de Almeida, afirmou que “Ao final, teremos o treinamento de nossas tripulações, a consolidação da nossa doutrina no mais alto padrão internacional de exercícios táticos".

A FAB comunicou que a atividade é importante para o país, pois envolve tanto a Aeronáutica, Marinha, Exército e a Força Aérea do USA.

Com essa afirmação, os comandantes das Forças Armadas reacionárias buscam omitir que durante longos anos a fio se vangloriavam do suposto "sucesso" da experiência adquirida no Haiti. Ora, se realmente foi um "grande trabalho" o adquirido no Haiti (como sempre advogaram), por que se faz necessário o treinamento comandado pelos ianques? E mais: por que é preciso que este se dê em território nacional?

Com a bandeira de que se preparam para atuar em "missões de paz" levadas à cabo pela ONU (na repressão a outros povos do mundo), o Exército brasileiro está sendo de fato preparado para aprofundar o genocídio interno, principalmente contra camponeses pobres, contra a juventude preta e pobre das favelas e contra todos os demais democratas e progressistas que ameaçam os planos sinistros desse governo militar, o "inimigo interno" a qual tanto falam. Em especial, visam aprofundar o plano reacionário de controle total da Amazônia, que se coaduna com a atuação da superpotência imperialista ianque de militarizar a todo subcontinente sul-americano.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin