Índia: Maoistas erguem grande monumento durante a Semana dos Mártires

Comício realizado na floresta de Dandakaranya, Chhattisgarh, celebrando a Semana dos Mártires Revolucionários. Foto: Telangana Today 

Um grande monumento foi erguido pelos maoistas indianos nas florestas do estado de Chhattisgarh, no nordeste da Índia. Ao redor dele, mais de 2.000 pessoas reuniram-se para um comício organizado pelo Partido Comunista da Índia (Maoista). A atividade ocorreu por ocasião da Semana dos Mártires na Índia, evento anual realizado entre os dias 28 de julho até 3 de agosto.

De acordo com a imprensa reacionária Telangana Today, a polícia não hesitou em destruir vários monumentos erguidos perto das aldeias tribais. Ainda assim, o evento anual homenageou os revolucionários que dedicaram suas vidas pela libertação do povo indiano do jugo do imperialismo, da semifeudalidade e do capitalismo burocrático. 

Celebração maoista faz velho Estado indiano estremecer

Imediatamente após o anúncio do início da Semana dos Mártires, em 28 de julho, o velho Estado indiano e suas forças repressivas não hesitaram em utilizar a celebração como pretexto para intensificar a repressão, impulsionando uma série de operações policiais. Os ataques das forças reacionárias se deram principalmente nos estados de Andhra Pradesh, Telangana, Odisha e Chhattisgarh. Junto a isso, foi emitido o sinal de “Estado de Alerta” em todas as regiões com presença dos maoistas. 

De acordo com o monopólio de imprensa, operações policiais foram identificadas em vários distritos, e inclusive em vilarejos remotos. Cada carro que passava pelas forças reacionárias era parado, e seus passageiros eram forçados a sair e se identificar, além de serem revistados.

A história da semana dos mártires 

A Semana dos Mártires é um evento realizado anualmente pelo PCI (Maoista) e pelo Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL). O evento se dedica a homenagear os combatentes, quadros e dirigentes maoistas que deram suas vidas pela Revolução de Nova Democracia, ininterrupta ao Socialismo, e incentivando todos a trilharem o mesmo caminho destes revolucionários.

A Semana dos Mártires surge inicialmente em homenagem a um dos fundadores dos Partidos, Charu Mazumdar. O grande dirigente proletário foi assassinado em 28 de julho de 1972 pelas forças repressivas policiais. Mazumdar foi o principal dirigente que conformou o movimento maoista na Índia, particularmente após o levante de Naxalbari, que é o marco para o início da Guerra Popular que se desenvolve há mais de 50 anos no país asiático, o segundo mais populoso do mundo. 

Mazumdar surge como parte da geração de dirigentes e militantes comunistas das décadas de 60 e 70 que, após a morte do Presidente Mao Tsetung, buscou aplicar seus ensinamentos em serviço à luta revolucionária em cada país. 

Após o histórico levante camponês de Naxalbari, Charu Mazumdar organizou a luta contra os revisionistas e oportunistas, que se recusavam a enxergar a significância do movimento camponês para a Revolução Indiana. Nesse contexto, Mazumdar funda o Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista), e apoiando-se em Naxalbari, delineia o caminho para a conquista do Poder na Índia, a Guerra Popular Prolongada. A partir de então, a classe operária atuará como dirigente da luta revolucionária, tendo o campesinato, principalmente pobre, como força principal.

A Semana dos Mártires, portanto, se desenvolveu para defender e prosseguir o grande legado revolucionário, incentivando os quadros, combatentes e massas a estudarem e aplicarem as grandiosas lições deixadas por estes combatentes, quadros e dirigentes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin