Novos apoios à LCP se espalham pelo país

Em ato no Pará, estudantes erguem faixa exigindo punição aos assassinatos dos três camponeses da Área Ademar Ferreira, em Nova-Mutum Paraná, Rondônia. Foto: ExNEPe

Em 13 de agosto, uma nova ação criminosa que resultou em assassinatos e prisões foi desatada pela Polícia Militar em conjunto com a Força Nacional de Segurança Pública a mando do velho Estado contra os camponeses em luta pela terra organizados pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) que vivem em Rondônia. Em meio a escalada de violência e criminalização foram assassinados Amarildo (49), Amaral (17) e Kevin (21), moradores da Área Ademar Ferreira, em Nova-Mutum Paraná. 

Em resposta ao chamado feito pela LCP aos democratas do Brasil a condenarem mais este crime deste governo militar criminoso, diversas entidades e organizações populares novamente se posicionaram denunciando as ações contra o povo, demonstrando solidariedade aos camponeses e exigindo punição aos assassinos.

Estudantes levantam faixas exigindo justiça

Em 18 de agosto, estudantes paraenses em conjunto com a Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) levantaram uma faixa com a frase Punição aos assassinos de Amarildo, Amaral e Kevin! Viva a Revolução Agrária! Viva a LCP! durante o ato dos servidores públicos contra a Reforma Administrativa. 

De acordo com a ExNEPe, os denunciaram do início ao fim da manifestação o covarde assassinato dos três camponeses e as prisões de trabalhadores ocorridas em nova Mutum-Paraná durante a mesma operação.

Docentes prestam solidariedade e apontam contra o velho Estado

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) em nota prestou solidariedade aos camponeses da Área Ademar Ferreira e denunciou os assassinatos dos trabalhadores. Segundo a entidade, o fato “trata-se de uma ação criminosa, coordenada pelo Estado, contra a luta pelo acesso à terra, onde historicamente o latifúndio impõe sua regra e lógica de morte”. 

O Andes-SN afirmou também que a prática terrorista já acontecia antes mesmo deste ataque e denunciou que operam, nos meandros do Norte do país, a política genocida, paramilitar de Bolsonaro à serviço do latifúndio.

A entidade, por fim, reafirmou estar ombro a ombro com a luta dos camponeses pelo direito à terra e ao trabalho digno e exigiu punição imediata aos executores e mandantes dos assassinatos e pela liberdade dos camponeses presos em meio à operação.

A Associação dos Docentes da Universidade Federal de Ouro Preto (Adufop) uma das seções sindicais do Andes-SN repercutiu a notícia e a posição da entidade.

Movimentos e organizações denunciam violência de Estado

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) lançou uma carta em repúdio à intervenção e ao cenário brutal no Estado, assinada também pela Ouvidoria Geral Externa da Defensoria Pública do Estado de Rondônia, Luciana Riça Mourão Borges (GEPE-Front/UNIR), Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH Brasil), Articulação para o Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil . 

A entidade afirmou que o velho Estado age com nítido incentivo aos processos de Regularização Fundiária a favor dos grileiros de terras e do latifúndio, o que “tem se desdobrado em práticas de violência cometidas contra povos indígenas, quilombolas, camponeses e demais comunidades tradicionais”.

A CPT denunciou o envio pelo Ministério da Justiça autorizou o envio da Força Nacional para atuar em Rondônia por 90 dias, afirmando que “o destacamento chegou ao Estado em 15 de junho e já executou diversas ações sob a alegação de combater supostas organizações criminosas que invadem propriedades particulares rurais” e constatou que ao longo dos últimos meses, houve um aumento no número de despejos, maior violência no campo, e assassinatos.

As organizações que também assinaram a carta, se solidarizam com os camponeses e reafirmaram que “a paz no campo se faz com a garantia do direito à vida, fundamentalmente o acesso ao território e dignidade dos povos, comunidades tradicionais e camponesas”.

A União da Juventude Comunista de Rondônia (UJC-RO) em nota afirmou que sinalizou o avanço da violência reacionária e criminalização de movimentos populares e denunciou que a covarde ação visa proteger os latifundiários que dominam Rondônia.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin