PA: Latifundiário desvia dinheiro destinado à hospitais públicos

No dia 18 de agosto, foi revelado um esquema envolvendo desvio de aproximadamente R$ 300 milhões destinados a hospitais públicos do Pará durante a pandemia. O crime que contava com a conivência do velho Estado tinha como um dos principais organizadores o latifundiário Nicolas André Morais, de 32 anos, um dos maiores pecuaristas do país.

Latifundiário Nicolas André Morais organiza esquema de desvio de verbas para combate a Covid-19. Foto: Reprodução

A comprovação dos fatos veio em meio a Operação “Reditus”, segunda fase da Operação “S.O.S”, deflagrada pela Polícia Federal (PF). De acordo com as investigações, o latifundiário era beneficiado po velho Estado, em um conluio onde quatro Organizações Não Governamentais (ONGs) indicadas por ele conseguiram fechar contratos ilegais com os governos, em valores que chegavam aproximadamente a R$ 1,2 bilhões. Eram essas ONGs que administravam os hospitais do Pará, sendo cinco hospitais regionais e quatro hospitais emergenciais de campanha no combate ao Covid-19.

Conforme vídeo divulgado pelo monopólio de imprensa G1, o latifundiário Nicolas Morais, que chegou a ter 180 mil cabeças de gado, se exibia frequentemente nas redes sociais, declarando frases como: “Gado extra, top, só têm de primeira”. 

Situação do hospital de campanha de Santarém

Segundo as investigações, era destinado pelo governo R$ 8 milhões mensais para o hospital. Em uma conversa com seus aliados em vídeo, o latifundiário diz: “Vou precisar de 5 milhões, vai ter que dar um jeito de tocar o hospital com 3 milhões e pouco esse mês”.

Em outra conversa ele alega: “Vai ficar 1 milhão de reais para pagar as besteirinhas”. As “besteirinhas” ao qual o latifundiário se refere eram as despesas essenciais do hospital, como pagamentos de funcionários médicos, enfermeiros, remédios, etc. 

Segundo a advogada Jyanny Dantas, 27 médicos ficaram sem receber. O médico Luiz Chaves, que trabalhou em um dos hospitais de abril a setembro do ano passado, denunciou as condições do hospital: “Era um grande galpão com uma lona cobrindo, com alguns ar condicionados espalhados, mas não suficiente para o calor que fazia lá dentro. Em alguns momentos a bomba e oxigênio falhava, entrávamos em desespero lá no hospital com as pessoas sufocadas era o caos, acabou que o hospital fechou e ficamos três meses sem receber”.

O esquema criminoso acontecia em vários lugares do Brasil

Além do desvio direto das verbas dos hospitais públicos, veio à tona também a maneira como o dinheiro era “camuflado”. Faziam parte do esquema de lavagem de dinheiro, o uso de notas frias e superfaturadas, além de serviços que não eram prestados. Também ocorreu a compra de equipamentos que nunca chegaram aos hospitais como, por exemplo, 11 ventiladores pulmonares que custaram o valor de R$ 480 mil.

A nota da compra está em nome de um posto de gasolina que pertence ao latifundiário Nicola. Porém o estabelecimento não funcionava na época da suposta negociação. Mesmo fechado movimentou o valor de R$ 100 milhões.

Outro fato que veio à tona com as investigações, foi que o esquema da organização criminosa era planejado pelos médicos Cleudson Garcia Montali e Lauro Henrique Fusco Marinho. Ambos são apontados pelo Ministério Público por desviar recursos destinados à saúde em Araçatuba, Barigui e Penápolis (SP). O latifundiário Nicolas Morais que lucrava exorbitantes montantes de dinheiro liderava o esquema segundo os indícios, apenas no estado do Pará.

Os criminosos transportaram para o estado de São Paulo, no avião particular do latifundiário Nicolas Morais, dinheiro em espécie que totalizava uma quantia de R$ 6 milhões.



NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin