Em todo o mundo são realizadas ações defendendo o Presidente Gonzalo!

Comitê de Apoio da Tribuna do Povo e  Grupo de Estudos Revolucionário, de Oxnard, produzem faixas respondendo ao chamado internacional de defesa da vida e saúde do Presidente Gonzalo. Foto: Tribune of the People

Nas últimas semanas, diversas organizações democrático-revolucionárias impulsionaram em todo o mundo a campanha pela defesa da Vida e Saúde do Dr. Abimael Guzmán Reinoso, também conhecido como Presidente Gonzalo, chefatura do Partido Comunista do Peru (PCP) e da Revolução Peruana. As ações realizadas denunciam a nova tentativa de aniquilar o preso político mais importante do planeta.

Como denunciado por AND na edição 243 (Urgente! Campanha mundial denuncia nova tentativa de aniquilar o Presidente Gonzalo), o chefe do Partido e da Revolução no Peru esteve mantido em isolamento absoluto e completo por 29 anos, numa prisão de segurança máxima na Base Naval de Callao, tendo contato com o mundo exterior somente através de seus algozes. Recentemente, foi transferido para um hospital para tratamento de metástase desenvolvido após o velho Estado peruano não fornecer tratamento para o câncer de Abimael Guzmán.

As ações para a campanha foram realizadas em todos os continentes, através de ações de agitação e propaganda, como pichações, colagem de cartazes, protestos e declarações públicas.

Turquia: TKP/ML emite declaração

Foto do Presidente Gonzalo na ocasião de seu Discurso do Século, seguido da frase "Defender a Vida do Presidente Gonzalo!". Foto: TKP/ML

O Comitê Internacional do Partido Comunista da Turquia/Marxista-Leninista (TKP/ML) emitiu uma declaração intitulada "Defender a Vida do Presidente Gonzalo!", expressando apoio à Revolução Peruana e sua Chefatura. Os maoístas assinalam o papel crucial do Presidente Gonzalo na sistematização do marxismo-leninismo-maoismo e fizeram a denúncia da patranha reacionária dirigida pela reação peruana juntamente aos imperialistas ianques, na tentativa de aniquilar o Presidente Gonzalo, como tentativa de desferir duro golpe contra a Revolução Proletária Mundial.

Os maoistas turcos assinalaram que, uma vez que a Revolução Peruana "surgiu numa época em que as lutas revolucionárias ao redor do mundo estavam em declínio, o campo revisionista estava se integrando cada vez mais ao sistema capitalista e [...] os seguidores do caminho capitalista que usurparam o poder na China após a morte do presidente Mao traíram a revolução chinesa", o papel do PCP dirigido pessoalmente pelo Presidente Gonzalo cumpriu o papel de propagar os ensinamentos do Presidente Mao. Com isso, afirmam os maoistas turcos, a luta revolucionária no Peru deu “esperança às massas oprimidas e exploradas do mundo dos Andes com este movimento”.

Além disso, acrescentam que foi a Revolução Peruana que mostrou aos imperialistas "o que as massas oprimidas e exploradas, que foram capazes de criar a força armada do povo sob o comando da ideologia do marxismo-leninismo-maoismo, podiam fazer sob correta direção".

Diante disto, os maoistas turcos sintetizam que "o Presidente Gonzalo é a encarnação da resistência dos prisioneiros revolucionários e comunistas mantidos em cativeiro pelos imperialistas e seus lacaios em todo o mundo!".

Índia: PCI (M) convoca ações

O Partido Comunista da Índia (Maoista), em declaração à imprensa, apelou aos sindicatos, forças progressistas, democráticas e patriotas de todo o mundo para realizarem grandes agitações para a libertação do Presidente Gonzalo, denunciando a tortura psicológica constante a qual este fora submetido nos últimos 29 anos, no aprisionamento "realizado pelo governo comprador peruano em conluio com os imperialistas ianques".

Os maoistas indianos denunciam que o governo fascista do Peru tem negado cuidados médicos ao Presidente Gonzalo, e ressaltam a importância da Revolução Peruana e seus significados para o Movimento Comunista Internacional (MCI). "É do conhecimento de todos que Gonzalo se opôs aos imperialistas, lutou pelo povo oprimido peruano e dirigiu o movimento revolucionário do Peru", concluem os comunistas.

Equador: revolucionários exigem imediata libertação

No dia 27 de julho, a Frente de Defesa de Lutas do Povo - Equador (FDLP-EC) publicou uma nota sobre a situação do Presidente Gonzalo. 

No documento, a FDLP-EC denuncia a reação peruana, expondo que, desde que foi preso em 1992, o Presidente Gonzalo teve seus direitos fundamentais violados e completamente ignorados enquanto prisioneiro de guerra. Os revolucionários afirmam que mesmo "preso em isolamento, mal-informado, fisicamente e psicologicamente torturado", o Presidente Gonzalo seguiu resistindo, ressaltando que "nada quebrou a força do nosso querido Presidente".

Os revolucionários equatorianos também denunciam o descaso dos reacionários com a saúde do Presidente Gonzalo, afirmando que, em função disto, "o proletariado e o povo do Equador exigem do Estado e do governo do Peru o atendimento de todas as suas necessidades de saúde, físicas e psicológicas; além disso, proceder à sua libertação imediata". E concluem sua nota com um aviso ao velho Estado Peruano que, se este "insistir em não garantir a atenção médica e os direitos do Presidente Gonzalo, eles terão que seguir as respostas que o proletariado internacional emitirá de forma decisiva".

Europa: jovens maoistas do Partizan realizam ações

IJP/MLM e Partizan realizam ação frente ao Consulado Geral do Peru, na Suiça, pela libertação e defesa da vida do Presidente Gonzalo. Foto: Partizan MLM

A Iniciativa da Juventude Partizan/Marxista-Leninista-Maoista (IJP/MLM), em conjunto com a organização maoista turca Partizan, realizou um protesto em frente ao Consulado Geral do Peru em Zurique, na Suíça no dia 27 de agosto. A ação se deu sob a consigna "Defender a vida do Presidente Gonzalo!". 

Em declaração pública, as duas organizações ressaltaram que o Presidente Gonzalo "se tornou um dos arquitetos da formulação do marxismo-leninismo-maoismo ao popularizar as contribuições do Presidente Mao Tsetung para o marxismo-leninismo em escala internacional".

A forma com que o Presidente Gonzalo é tratado na prisão, afirmam os jovens revolucionários, "revela o medo que os reacionários sentem frente às guerras populares e da luta pelo comunismo". E que estes reacionários, apesar de suas tentativas de humilhar os comunistas, estão fadados a falhar. E citam o episódio do “discurso da jaula”, em 1992. O episódio se deu após a prisão do Presidente Gonzalo. A reação peruana (com o reacionário Fujimori à frente) apresentou a chefatura do PCP em traje listrado dentro de uma jaula na vã tentativa de humilhá-lo. Os jovens revolucionários afirmam que os reacionários "ficaram espantados quando este a tornou em uma poderosa trincheira de combate comunista".

As organizações maoistas afirmam que "o maior medo do imperialistas são os comunistas, que irão dirigir as massas populares e colocarão o imperialismo no museu da história", e que "é por isso que a defesa do Presidente Gonzalo e da Guerra Popular Peruana é uma tarefa crucial para os revolucionários e comunistas atualmente". Concluem declarando que irão seguir a Campanha em Defesa da Vida e da Saúde do Presidente Gonzalo, convocando outras organizações democráticas e revolucionárias a fazerem o mesmo.

USA: Ativistas realizam ações de propaganda

O Comitê de Apoio da Tribuna do Povo na cidade de Oxnard, California, Estados Unidos (USA) e o Grupo de Estudos Revolucionário de Oxnard realizaram um evento no dia 26 de agosto, produzindo cartazes e faixas em defesa da chefatura da Revolução Mundial, além de realizarem discursos sobre a importância de responder ao chamado internacional em defesa do Presidente Gonzalo. Durante o evento, membros do Comitê de Apoio entregaram panfletos para membros das comunidades locais, clamando pela libertação do Presidente Gonzalo.

Pichação avistada em Los Angeles, USA, exclamando "Viva o Presidente Gonzalo!". Foto: Tribune of the People

Alemanha: São feitas pichações e penduradas faixas

Faixa com a consigna "Defender a vida do Presidente Gonzalo" é pendurada na estação de trem da Universidade de Bremen, na Alemanha.

Na estação de trem da Universidade de Bremen, na Alemanha, uma faixa em adesão à campanha internacional pela defesa da vida do Presidente Gonzalo foi avistada, com consignas em alemão e espanhol, além de pichações na Alemanha sob a mesma consigna Defender a vida do Presidente Gonzalo!.

Em Essen, na Alemanha, grandes posters com uma imagem do Presidente Gonzalo, ao lado de uma declaração emitida pela FDLP-EC foram avistados colados em paredes.

Pôsteres em defesa do Presidente Gonzalo, com declaração anexada da FDLP-EC avistados em Essen, Alemanha.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin