PA: Moradores protestam durante enterro de pedreiro torturado e morto por PMs

O trabalhador Antônio Queiroz é a mais nova vítima da brutalidade da PM do Pará. Foto: Reprodução

Moradores da região metropolitana de Belém fizeram um protesto durante o enterro do pedreiro Antônio Evanildo Queiroz, no dia 30 de Agosto. Familiares denunciam que o pedreiro foi torturado e morto por policiais militares (PMs) depois que os agentes invadiram a casa do trabalhador, no dia 27 de Agosto, no bairro Tapanã, em Belém, capital do estado do Pará.

O protesto tomou conta das ruas do bairro Tapanã. Durante o cortejo fúnebre os moradores ergueram faixas e cartazes exigindo justiça para Antônio e paz para a comunidade, que sofre com constantes incursões da PM, que promovem violência contra os moradores.

O brutal assassinato do pedreiro Antônio causou que revoltou toda a comunidade. A esposa afirma que no momento que os policiais chegaram Antônio estava trabalhando colocando piso na casa. Segundo familiares, os PMs invadiram a casa do trabalhador alegando que receberam uma denúncia anônima afirmando que ali seria um ponto de venda de drogas.

Os PMs então entraram na casa mesmo sem qualquer tipo de mandado judicial. Em seguida, agrediram a esposa de Antônio com um soco no rosto e a colocaram para fora. Os policiais ficaram cerca de 20 minutos dentro da casa com Antônio, que sofreu agressões físicas e torturas que resultaram em sua morte. Os PMs saíram da casa com o corpo da vítima enrolado em uma rede e o jogaram no porta-malas da viatura.

O trabalhador chegou a ser levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Tapanã, porém não resistiu aos ferimentos e faleceu.

A Polícia Militar alegou que a morte foi em decorrência de um “susto”, que o trabalhador levou com a invasão da casa pelos PMs. Contudo, o laudo do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves revelou que Antônio tinha sinais de asfixia mecânica por constrição externa, que é quando ocorre compressão da região do pescoço. A informação confirma que o trabalhador foi de fato asfixiado e morto pelos PMs. 



NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin