Alvorada do Povo denuncia ataques obscurantistas de ministro da Educação

Em 2019, milhões de estudantes saíram as ruas em contexto de corte de verbas e ataques contra o ensino público diretamente verbalizados pelos reacionários no governo federal. Na imagem, uma manifestação de estudantes em São Carlos (SP). Foto: Banco de Dados AND

Em nota publicada no dia 09 de setembro, a organização democrático-revolucionária de estudantes Alvorada do Povo (AP) denunciou os mais recentes ataques contra a educação pública, gratuita, científica e de massas feitos diretamente pelo ministro obscurantista Milton Ribeiro. O ministro capacho tem realizado uma série de declarações que, segundo os estudantes revolucionários, serão respondidas “com luta combativa”.

Os estudantes apontam que a ação do ministro se resume em “promover falácias” contra o sistema público de ensino e o justo desejo por estudar, ensinar e aprender. A nota da AP aponta que o ministro deseja voltar com a “lei do boi” quando afirma que “a universidade deveria, na verdade, ser para poucos”. Aprovada durante o regime militar, a “lei do boi” assegurava até 50% das vagas no ensino médio e no ensino superior, nas escolas e faculdades agrícolas, para os filhos de produtores de gato, tendo sido revogada em 1985.

A nota critica contundentemente a declaração de Milton Ribeiro que trata da questão do desemprego para trabalhadores graduados. O ministro buscou fundamentar sua posição reacionária sobre um “ensino para poucos” apontando que “tem muito engenheiro ou advogado dirigindo Uber” e que “se fosse um técnico de informática, conseguiria um emprego”.

Essa visão pró-latifúndio do ministro obscurantista serve, segundo os estudantes revolucionários, para “manter os camponeses pobres de nosso país sob uma exploração e opressão semifudal”. E apontam ainda que o ministro busca “seguir os ditames do imperialismo para os países semicoloniais” e também “os planos do Banco Mundial para a educação brasileira”. E acerca da questão do desemprego no país, a nota aponta que “não é culpa das massas que buscam pelo conhecimento científico nas universidades”, e sim “fruto da política de desmonte da pesquisa e da indústria genuinamente nacional”.

Ministro só quer “apertadores de parafuso”

Os estudantes da AP afirmaram que o MEC age com corte de verbas e imposição do Ensino à Distância (EaD) no objetivo de “enxugar os gastos públicos com a Universidade Pública e investir na Educação Privada (...), ampliando o ensino básico tecnicista com suas contrarreformas, como a Base Nacional Comum Curricular e a Reforma do Ensino Médio”.

Sobre a fala de Milton Ribeiro defendendo uma suposta “mão de obra técnica”, a nota aponta que o intuito verdadeiro é o de “defender esse velho modo de produção, que só quer dos filhos do povo “apertadores de parafuso”, ao mesmo tempo que faz a defesa de uma educação que sirva ao Povo, contra os “ataques anticientíficos” como o negacionismo que passou a vigorar frente ao enfoque da pandemia do novo coronavírus”.

"transformar as universidades em trincheiras de combate!"

Os estudantes concluem a nota apontando que a resposta a ser dada contra todas as falácias do ministro obscurantista Milton Ribeiro deve passar pelo avanço na mobilização e organização estudantil: “devemos tomar para nós a defesa da educação, abandonar as ilusões e partir para a luta!”, apontam os estudantes.

A AP afirma que o objetivo dessa luta deve ser “colocar a universidade a serviço do povo, responder aos ataques do MEC/Banco Mundial com greve de ocupação e co-governo estudantil!”. E, reafirmando o compromisso com a luta combativa, conclamam a todos os comprometidos com a educação pública e gratuita a “transformar as universidades em trincheiras de combate”.

A nota na íntegra pode ser lida clicando aqui.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin