MA: Quilombolas repelem invasão de pistoleiros

Famílias quilombolas interditam a rodovia e repelem invasores que agiam a mando do latifúndio. Foto: Reprodução

Durante a noite de 11 de setembro, a comunidade quilombola Tanque da Rodagem e São João, repeliu o ataque de 10 pistoleiros que tentaram invadir o território localizado no município de Matões, no Maranhão (MA). Além de expulsar os invasores, a comunidade interditou a MA-262 por seis dias em defesa de seu território.

No dia que precedeu o ataque, ao menos três tratores já haviam invadido a área e promovido uma grande devastação. De acordo com as denúncias três trabalhadores também foram ameaçados. Os quilombolas então se mobilizaram para realizar a autodefesa do território e iniciaram a interdição da rodovia que se estendeu até o dia 16/09. 

Em 15/09, a resistência da comunidade ganhou apoio de camponeses, outros quilombolas e de povos indígenas como Tremembé, Akroá Gamella e Krenyê, cerca de mais de cem pessoas que formaram um acampamento, às margens da rodovia que estava interditada.

Só diante das ações de resistência sem previsão para cessar e em ascensão, que o velho Estado mobilizou a Polícia Civil para apreenderem os tratores.

Quem estaria por trás dos ataques contra os quilombolas?

Os trabalhadores denunciam que os ataques ocorreram a mando dos latifundiários sojeiros Eliberto Stein e Silvano Oliveira, que há dois meses disputam a área com os moradores e que segundo relatos estavam na região coordenando pessoalmente o ataque. Eles alegam terem comprado o território quilombola há cerca de um ano. Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT-MA), alguns guardas municipais podem estar envolvidos na ameaça e trabalhando para o latifúndio.

Com tratores latifúndio promove destruição e tenta intimidar os trabalhadores. Foto: Reprodução

Outras denúncias de ataques promovidos pelos reacionários envolvendo demolição de casas e envenenamento por agrotóxicos utilizados em larga escala pelo latifúndio, já haviam sido pronunciadas pelos quilombolas. Devido ao envenenamento, pessoas da comunidade apresentaram vários sintomas como coceira, ardência nos olhos, a produção de feijão e milho também foi comprometida.

Durante a manifestação da rodovia, Maria Eunice Pereira Lisboa, em entrevista ao portal Imirante, afirmou: “Eu nasci e me criei aqui, dentro do Tanque da Rodagem, meu velho se acabou aqui, eu já estou velha com 77 anos, e hoje estou aqui”. Constatando a determinação em não ceder o território aos invasores, declarou também: “Eu tenho meus filhos, meus netos, vivem todos mais eu, eu sou a mãe, sou pai, sou tudo. Eu não tenho nenhum filho empregado e é obrigado eu viver o resto do meu tempo para trabalhar, enquanto eu tiver viva, mais meus filhos. Aqui, dentro do Tanque da Rodagem”.

O papel que cumpriu o velho Estado

As mais de 60 famílias quilombolas vivem desde os anos 70 em Tanque da Rodagem e São João. O processo de regularização fundiária iniciado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em 2013 e desde 2017 segue paralisado. Os quilombolas exigem a titulação.

A região onde se localiza o território quilombola é alvo de avanço do latifúndio que ocorre  à custa da população do campo, sobre terras nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. O avanço foi formulado no “Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba”, projeto lançado no gerenciamento de Dilma Rousseff/PT, e intensificou a contradição entre o latifúndio e os camponeses.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin