SC: PMs e Guardas atacam trabalhadores durante greve e protesto combativos em Florianópolis

Trabalhadores protestam contra a privatização do serviço de coleta de lixo em Florianópolis, estado de Santa Catarina. Foto: Ana Vaz/NSC TV

Trabalhadores da Autarquia de Melhoramentos da Capital (Comcap) foram atacados pela Polícia Militar (PM) e pela Guarda Municipal (GM) após deflagrar greve e fazer um protesto contra a privatização da empresa, no dia 21 de setembro, em Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina.

Os trabalhadores decidiram entrar em greve após realizarem uma assembleia. Eles iniciaram o protesto por volta de 11h e bloquearam a entrada do Centro de Valorização de Resíduos (CVR), na rodovia SC-404, impedindo a entrada e saída de veículos da empresa privada de coleta de lixo, Amazon Fort, cujo dono é Carlos Gilberto Xavier Faria.

Por volta de 12h30, a Guarda Municipal do prefeito Gean Loureiro (DEM) atacou os manifestantes. Os trabalhadores foram agredidos com golpes de cassetete, bombas de gás lacrimogêneo, sprays de pimenta e tiros de bala de borracha pelas forças de repressão do velho Estado. Em resposta, os trabalhadores reagiram montando barricadas e atirando pedras nos seus malfeitores.

Três trabalhadores e três agentes da repressão ficaram feridos, conforme informaram a prefeitura e o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem).

Trabalhadores da Comcap bloqueiam a entrada do Centro de Valorização de Resíduos (CVR). Foto: Duda Dalponte/ NSC

Mesmo diante da brutal repressão, os trabalhadores permaneceram no local. Com isso, em uma decisão expedida durante o período da tarde, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) ordenou que os trabalhadores desbloqueassem a entrada do CVR. A PM foi até o local por volta de 15h30 e tentou negociar com os grevistas. Estes, por sua vez, fizeram uma nova votação e decidiram permanecer no local até que suas exigências fossem atendidas.

Por volta de 16h, os militares e GMs avançaram novamente contra os trabalhadores disparando bombas de efeito moral e tiros de bala de borracha. Os trabalhadores novamente ergueram barricadas, ateando fogo em pneus e outros objetos.

Os trabalhadores forma reprimidos durante greve combativa em Florianópolis. Foto: Ana Vaz/NSC TV

Após resistirem bravamente, os trabalhadores foram obrigados a se retirar do local, porém não pararam o protesto e fecharam os dois sentidos da rodovia SC-404. Novamente os PMs e Guardas perseguiram os manifestantes e reprimiram o novo protesto com a mesma brutalidade que já tinham aplicado anteriormente.

Por conta das agressões, bombas e tiros disparados, um trabalhador sofreu um corte de quatro centímetros na cabeça e precisou ser levado ao Centro de Saúde de Itacorubi.

Um dos trabalhadores sofreu ferimentos na cabeça causados pela repressão brutal  da PM e da GM. Foto: Reprodução

Trabalhadores lutam contra prefeito privatista

A luta dos trabalhadores da Comcap é contra a tentativa do prefeito Gean Loureiro de privatizar e terceirizar o serviço de coleta de lixo na capital catarinense.

Eles denunciam o vergonhoso cancelamento do concurso público da Comcap, chamado oficialmente em 2019 e conquistado após dura greve em Data-base. Segundo o Sintrasem, a prefeitura não repõe os trabalhadores, sobrecarregando e adoecendo a categoria, para criar uma falsa demanda e terceirizar os serviços.

O reacionário Gean Loureiro contratou a empresa Amazon Fort para realizar a coleta de lixo no município. Contudo, segundo o Sintrasem, tal contratação é ilegal pois desrespeita a clausula 27 do Acordo Coletivo de Trabalho.

“A contratação é ilegal e imoral, porque desrespeita a cláusula 27 do Acordo Coletivo e porque não existe a necessidade de contratação, já que não existe emergência ou calamidade pública, como especifica a lei federal 8.666/ 93, usada pela prefeitura.”. Diz o sindicato em nota.

O Sintrasem continua: "A categoria exige a retirada dos editais que terceirizam as funções da Comcap, o cumprimento da decisão judicial e a saída imediata da Amazon Fort de Florianópolis. Lutamos também em defesa dos nossos postos de trabalho e de todos os direitos do acordo coletivo, conquistados durante décadas com muito sangue e suor. Mesmo diante da situação caótica que vive o Norte da Ilha e da decisão judicial que proíbe a terceirização da Comcap, Gean Loureiro avança com seu projeto de entrega do patrimônio público, publicando licitações que terceirizam o setor operacional, a varrição e diversas outras funções”, diz o texto.

Os trabalhadores denunciam que a Amazon Fort vai receber R$ 16,8 milhões ao ano para fazer só cinco roteiros da coleta convencional; enquanto a Comcap faz mais de 40 roteiros, além de pelo menos outros 16 serviços como coleta seletiva, hospitalar, de verdes, remoção, capina, limpeza de valas, varrição de ruas e etc.

Outra denúncia dos trabalhadores é que no novo contrato firmado entre a prefeitura e a Amazon Fort, a empresa vai receber da administração municipal R$ 1,4 milhão por mês, para realizar um serviço que a Comcap já faz. Com isso os moradores da cidade estão pagando duas vezes pelo mesmo serviço.

Além de receber benesses milionárias da prefeitura, a empresa ainda lucra em cima da exploração máxima de seus funcionários. No começo de 2021, a Amazon Fort estava pagando R$ 100 ao dia para um gari coletar lixo por 12 horas, denunciou o Sintrasem. Também foram flagrados garis trabalhando de chinelo e com os pés enfaixados, num total descaso para com a saúde do trabalhador.

Os trabalhadores afirmam ainda que não vão assistir de braços cruzados Gean Loureiro destruir seus postos de trabalho para garantir os lucros dos “empresários do lixo”. A categoria exige a retirada dos editais que terceirizam as funções da Comcap, o cumprimento da decisão judicial e a saída imediata da Amazon Fort de Florianópolis.



NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin