RO: Camponeses enxotam policiais e operação vira chacota

Encurralados por camponeses, policiais envolvidos na Operação “Erva Daninha” desencadeada em Rondônia em 17 de setembro, não conseguem invadir áreas camponesas e operação vira chacota. Quem relata o ocorrido é o latifundiário conhecido como Senador Amorim, ex-parlamentar denunciado por grilagem de terras sobre o Projeto de Assentamento (PA) Nova Floresta, palco do conflito.

A desastrosa operação, assim definida pelos seus próprios apoiadores, visa combater camponeses em luta pela terra, especialmente a Liga dos Camponeses Pobres (LCP) e conta com a Polícia Civil (PC), através das Delegacias Regionais de Ariquemes e Jaru, e com apoio operacional da PM (8ºBPM), Polícia Rodoviária Federal (Del03) e SESDEC (Núcleo de Operações Aéreas). Foram 117 policiais mobilizados para agir em ao menos seis municípios: Ariquemes, Monte Negro, Theobroma, Governador Jorge Teixeira, Campo Novo de Rondônia e Porto Velho.

A motivação da operação é expulsar os camponeses que retomaram “uma fazenda de aproximadamente 4 mil hectares”. Ainda de acordo com as forças de repressão, a área denominada “Fazenda Morro Alto” pertence ao ex-prefeito de Ariquemes, Ernandes Amorim. A área grilada está localizada nos municípios de Campo Novo e Governador Jorge Teixeira em meio ao PA Nova Floresta.

Reunidos, camponeses residentes no PA Nova Floresta se organizam. Foto: Reprodução

As famílias resistem e inimigos se desesperam

Mesmo após anos de conflito e o despejo ilegal coordenado por militares no início de 2021, as 380 famílias acampadas retornaram a área. 

Leia também: RO: Militares despejam ilegalmente 380 famílias em benefício de ex-senador

Em entrevista a um dos portais satélites do latifúndio, o ex-senador Amorim revelou que os camponeses voltaram com forças redobradas. Ele disse também que era necessário desarticular a organização e prender os líderes com uma “ação policial forte”. O ex-senador, desesperado, foi até Brasília pedir auxílio para o velho Estado através do reacionário vice-presidente general Mourão e o seu Conselho Nacional da Amazônia.

Culpa no cartório: ex-senador Amorim desmente polícia

Contudo, mesmo após as tentativas de aliança com o velho Estado para manter as áreas griladas sobre sua posse, o ex-senador Amorim exige retratação da polícia e desmente que a área lhe pertença, apesar de alegar ter terras ocupadas pelos camponeses. 

Em suas declarações, o latifundiário afirma: “A nota falta com a verdade, pois não tenho 4.000 alqueires de terras nessa região [...] Esse número que narram ser propriedade minha não procede. Gostaria que a polícia se retratasse quanto a esta parte do conteúdo que distribuiu para impressa”.

117 policiais são destinados a operação apontada como chacota. Foto: Reprodução

As terras do PA Nova Floresta abrangem uma área de 22 mil hectares (ha), e no ano de 1989 após a desapropriação do latifúndio passaram a pertencer à União. Porém, houve uma expropriação posterior de 4 mil ha denunciada como grilagem praticada por Amorim. É esta a “Fazenda” que os policiais buscam reaver. 

O longo histórico de crimes de Ernandes Amorim

O suposto dono de terras defendido pela operação, Ernandes Amorim é um parlamentar de longa data. Já ocupou o posto de senador, deputado federal, deputado estadual, vereador e prefeito de Ariquemes. Tão longo quanto o tempo de serviço para o velho Estado, é a ficha criminal do latifundiário. 

Amorim, responde a 138 processos judiciais. Se tornou ex-senador em 2000, após a cassação do cargo por abuso econômico e político na campanha de 1994. Quatro anos depois foi preso por formação de quadrilha especializada em desvio de verbas públicas, formação de empresas fantasmas para ganhar licitações, grilagem de terra e exploração ilegal de minério.

Recentemente, em maio de 2021 seguindo a sanha, ele e sua filha, a ex-prefeita de Ariquemes, Daniela Amorim, foram condenados por improbidade administrativa nos processos de licitação para a construção de 13 escolas e uma creche.

Latifundiário e ex-parlamentar Ernandes Amorim, já foi preso por grilagem. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin