Norte de Minas: Vigorosa celebração de camponeses presta honras ao Presidente Gonzalo

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

No dia 24 de setembro, ativistas da Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e do Sul da Bahia reuniram-se em sessão solene convocada especialmente para celebrar o 29º aniversário do Discurso do Presidente Gonzalo. O Dr. Abimael Guzmán Reinoso foi assassinado pela reação peruana e o imperialismo ianque no último dia 11 de Setembro. A celebração prestou honras e glórias ao Presidente Gonzalo grande dirigente comunista e seu todo-poderoso pensamento Gonzalo.

A sessão solene iniciou-se com o canto da Internacional Comunista, perante as imagens dos grandes titãs do proletariado internacional Marx, Lenin e Presidente Mao Tsetung e um cartaz do Presidente Gonzalo, onde se lia Honra e Glórias eternas ao Presidente Gonzalo. Durante a canção, um grande cartaz que reproduzia o cartaz da Campanha Internacional foi desfraldado diante de dois guardas de honra. Na mesa, dirigentes da LCP e do MFP conclamavam O Presidente Gonzalo vive em seu todo-poderoso pensamento gonzalo! e O Presidente Gonzalo é imortal!, Abaixo o imperialismo e a reação!, Abaixo as ratazanas traidoras e capituladoras da LOD! e muitos vivas à revolução peruana e a guerra popular no Peru.

Leia também: 'Presidente Gonzalo vive!': Ações da campanha internacional em defesa da Chefatura do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento

Um dirigente da LCP defendeu a justeza desta celebração extraordinária e da continuidade desta grandiosa campanha internacional da qual tomavam parte, exclamando: “O Presidente Gonzalo, chefe do Partido Comunista do Peru, da Revolução Peruana e do proletariado internacional foi mantido preso em isolamento absoluto por 29 anos,em prisão perpétua, numa minúscula cela na base naval de Callao, no Peru e se assassinato foi consumado no dia 11 de setembro  pelo velho Estado peruano para tentar afogar em sangue a Revolução Peruana, apagar seus grandes feitos e principalmente para tentar derrotar seu todo-poderoso pensamento, a luz e caminho da Revolução Democrática no Peru e seus grandiosos aportes à Revolução em todo o mundo!”. 

Durante o ato foi lido uma nota assinada pelo Movimento Popular Peru (MPP) no qual tomava toda a dimensão histórica deste acontecimento e denunciava este vil crime cometido pela reação ao assassinar o Presidente Gonzalo, mas levantava principalmente que mais uma vez o Presidente Gonzalo havia vencido e derrotado a reação em seus intentos porque em todos estes 29 anos sustentou a defesa da continuidade da Guerra Popular no Peru e seu todo-poderoso pensamento, através do qual segue vivo, ao dar sua cota de sangue para iluminar o caminho da Revolução Peruana, a serviço da Revolução Proletária Mundial! 

Uma dirigente da Frente Revolucionária conclamou a todos a refletir sobre a situação revolucionária no mundo e no Brasil, acerca deste grande momento, desta nova época de revoluções, onde o mundo se encontra estremecido por uma grande crise e que mais do que nunca se realiza os prenúncios do Presidente Mao Tsetung de que em 50 ou 100 anos o imperialismo seria varrido da face da terra e que o discurso poderoso do Presidente Gonzalo também o confirmava e afirmava a revolução como tendência histórica e política, que seu discurso pronunciado perante o mundo e a reação que tentou em vão humilhá-lo segue vigente e mais atual do que nunca. Ela explicou o papel dos revisionistas e oportunistas da Linha Oportunista de Direita (LOD) em fazer coro com a reação sobre a patranha e das cartas de paz, escritas pela CIA, nunca pelo Presidente Gonzalo, e que o fizeram para por fim a Guerra Popular no Peru e desprestigiar o maoismo e o próprio Presidente Gonzalo, apresentando-o como um traidor, campanha que foi desmentida e desmascarada pelos verdadeiros defensores do Presidente Gonzalo no Peru e mundo afora, provando que as cartas de paz eram uma farsa.

Alinhadas e perfiladas as companheiras do Movimento Feminino Popular entoaram seu hino “Lutadoras da Revolução” no qual expressaram “Presidente Gonzalo é o guia, com o que os povos do mundo triunfarão, luminoso caminho transitamos, lutaremos sem trégua até o final...”

Os moradores da área revolucionária que se envolveram na limpeza, iluminação do local, segurança e alimentação dos convidados agradeceram e saudaram a celebração e a presidente da Associação afirmou que devemos seguir o exemplo do Presidente Gonzalo!  

Ao final da celebração e como parte dela, companheiros e companheiras cantaram a canção Conquistar a terra, entoaram as consignas da luta pela terra e levantando alto a foto do Presidente Gonzalo e uma grande faixa vermelha onde se lia Presidente Gonzalo vive! Viva o todo-poderoso pensamento gonzalo! inscrição que já pode ser lida por todo o país e também no Norte de Minas, clamaram Presidente Gonzalo: Presente na Luta! Viva o Presidente Gonzalo! 

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

Camponeses do Norte de Minas e do Sul da Bahia, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres, tomam parte da Campanha em defesa do Presidente Gonzalo e seu todo-poderoso pensamento. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin