MG: Moradores de Nova Lima fazem manifestação contra a Vale

Moradores protestam contra expansão de minas da Vale em Nova Lima, estado de Minas Gerais. Foto: G1

Moradores fizeram um protesto contra a expansão das atividades da mineradora Vale do Rio Doce na cidade de Nova Lima, na região metropolitana de Minas Gerais. O protesto aconteceu no bairro Vale do Sol no dia 25 de setembro. Os manifestantes carregavam reivindicações contra a empresa mineradora, rechaçando a prática assassina e terrorista de destruição de cidades inteiras.

Os manifestantes se reuniram por volta de 10h, numa praça próxima a Estação Ecológica de Fechos com cartazes e faixas com palavras e frases contra a Vale e contra a mineração na Estação Ecológica. Alguns dos dizeres eram: “Sua água vai acabar”, “Não cava”, “Deixem-nos em paz” e “Mar de lama nunca mais”.

A Vale visa ampliar a área de extração de minério próximo às minas Tamanduá e Capitão do Mato, atingindo assim a área da Estação Ecológica de Fechos, em Nova Lima. Projeto o qual os manifestantes se opõem.

Os moradores denunciam que tal expansão irá causar prejuízos gravíssimos à população da região de Belo Horizonte e de outras cidades da região metropolitana. A preocupação acontece pois dentro do parque ecológico existem quatro aquíferos de água potável que abastecem 300 mil pessoas.

“O que mais nos preocupa é a questão hídrica, pois a região conta com quatro aquíferos, o maior deles chamado Cauê. Eles abastecem metade dos moradores de Belo Horizonte e entorno”, disse Pedro Homem, um dos manifestantes.

Pedro também conta que a ação da Vale pode resultar na morte de nascentes e córregos e que a morte de um aquífero como o de Fechos é irreversível.

Outra preocupação dos moradores é o impacto que a expansão da atividade mineradora vai causar na fauna e na flora do local, que contempla espécies raras que só vivem ali e estão ameaçadas de extinção. A Estação Ecológica de Fechos também abriga 25 cavernas, sendo 4 delas consideradas de máxima relevância e 14 de alta relevância.

A Vale divulgou um relatório com o impacto ambiental que tal medida de ampliação das minas iria causar na região. O próprio relatório sobre o projeto, que está disponível no site da empresa, afirma que em 10 anos haverá interferência na vazão dos cursos d’água. O relatório também admite perda de áreas de floresta e campos, podendo haver perda biota e reflexo para espécies endêmicas, só encontradas na área. Contudo, os manifestantes denunciam que o relatório não detalha o impacto ambiental real da expansão.

O movimento Não Cava, principal organizador do protesto, divulgou informações de que caso sejam feitas as ampliações da mina Capitão do Mato e Tamanduá, a primeira ocupará uma área de 640 campos e a segunda ocupará uma área de 132 campos.

A proposta de ampliação foi enviada pela Vale para órgãos ambientais como por exemplo a Secretaria de Estado e Meio Ambiente e agora depende da autorização e licenciamento desses. Uma audiência pública sobre o tema será realizada no dia 28 de setembro.

Enquanto isso, os moradores da região metropolitana de Minas Gerais continuam na luta contra a expansão da mineradora que já causou centenas de mortes, destruição, despejos e demais atrocidades em Minas Gerais, como nos casos de Brumadinho e Mariana.

Faixa levada pelos manifestantes para alertar aos moradores sobre as consequências da expansão da minas da Vale. Foto: G1

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin