Editorial semanal – A real polarização

De agosto para setembro, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), prévia da inflação oficial do País, passou de 0,89% para 1,14%, o maior resultado para o mês de setembro desde o início do Plano Real e a maior taxa da série histórica desde fevereiro de 2016. Nos últimos 12 meses, a alta acumulada é de 10,05%, puxada pelas altas do preço da gasolina (33%) e da energia elétrica (25%). A inflação de alimentos, como todos sabem e sentem, não cede desde março, golpeando com violência os mais pobres: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as famílias que recebem até dois salários mínimos consomem 22% de sua renda para alimentar-se, enquanto nos lares com vencimentos superiores a 20 mínimos, o gasto com comida fica em torno de 7%. Ao menos 14,7 milhões de lares são considerados como de “pobreza extrema”, o que significa uma renda per capita de R$ 89, sinônimo da fome e do pauperismo agudos.

Diante deste cenário dramático, em que está mergulhado nosso povo, só o cinismo mais abjeto explica as declarações do genocida Bolsonaro na Organização das Nações Unidas (ONU), no último dia 21, louvando o “superávit das estatais” e o recorde da produção de alimentos. Ele disse: “Nossa moderna e sustentável agricultura de baixo carbono alimenta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo e utiliza apenas 8% do território nacional”.

Num aspecto, o capitão do mato não mente: o Brasil é, de fato, um dos maiores exportadores de alimentos do mundo. Em 2020, o latifúndio exportador avançou sua participação no PIB para 26,6% - havia sido de 20,5% no ano anterior. No ano passado, o Brasil exportou 2,2 milhões de toneladas de carne bovina, o que equivale a 14% da produção mundial. Enquanto isso, o consumo interno recuou para os menores patamares desde 1996.

Mas a questão é justamente esta: a inflação e a fome epidêmica não são causadas por meros erros de gestão do governo federal, como quer fazer crer o senso comum e a oposição burguesa e pequeno-burguesa. Suas causas são estruturais, e repousam, no fim das contas, no acintoso monopólio da terra, que devora as maiores e melhores terras do País para a prática da monocultura exportadora, deixando o abastecimento de alimentos a cargo da economia camponesa, seja ela a pequena ou média, permanentemente escorchada pela carência de subsídios, pelo encarecimento dos fretes, quando não, pelas perseguições do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e outros, pelas sucessivas reintegrações de posse contra as famílias posseiras de camponeses pobres, despejos legais e ilegais, feitas a mando do latifúndio. Assim como ocorre no combustível, o preço da proteína animal está atrelado ao dólar, no instante mesmo em que este experimenta a maior alta frente ao real em décadas. Isto dessangra a economia nacional como um todo, e o salário dos trabalhadores em particular. É um modelo semicolonial escancarado. É claro que, no topo da pirâmide, ganham os rentistas e os ladrões de terras públicas, onde se recrutam os novos bilionários brasileiros – ancorados, todos, no Estado burocrático-latifundiário, serviçal do imperialismo, que não lhes recusa crédito, perdão periódico de dívidas e outras benesses. Estes setores são governistas qualquer que seja o governo. Ideologicamente, identificam-se com Bolsonaro, embora os maiores deles não o preferem por ser sua política externa 100% a favor do Estado sionista de Israel que lhes fecham o mercado árabe e 100% contra a China, cerrando-lhes as portas do imenso mercado desta; fora destes muitos financiam seus atos e sua indústria de mentiras. Diante do futuro levantamento das massas, alinhar-se-ão com o primeiro líder golpista e as medidas mais draconianas que possam lhes defender.

Esta é a verdadeira polarização de nossa sociedade, e não a miríade de candidatos que já se assanham para gerir a miséria e a repressão sobre as massas, apresentando-se como “salvadores da pátria”. De um lado, os superlucros dos bancos, do latifúndio, das empreiteiras; de outro, os milhões e milhões de brasileiros condenados à indigência e a uma vida sem perspectivas. No lastro desta catástrofe humanitária, temos as prisões superlotadas e o aumento das mortes por intervenção policial, que não caíram de modo sensível mesmo durante a pandemia. Sabemos qual é o perfil da maior parte dos 600 mil vitimados pela Covid-19, aqueles que não conseguiram nem sequer acessar um leito de UTI no SUS, ou morreram amarrados às suas camas, supliciados, intubados sem os sedativos e anestésicos indispensáveis: eram, afinal, os “matáveis” de sempre, a “população excedente” – no sentido de Marx, isto é, aquela que é expulsa do processo produtivo, e vive nos tugúrios, em condições infra-humanas, incompatíveis com o século XXI.

Para onde esta situação terrível aponta?

Do ponto de vista da velha ordem, à militarização e ao fascismo; à restrição continuada de qualquer arremedo de regimes democráticos, única salvaguarda contra o abismo econômico e político (ainda que, de fachada, haja eleições e alternância periódica de partidos).

Do ponto de vista das massas, ao auge da sua mobilização; ao desmascaramento crescente das soluções intermediárias e do oportunismo, que promete fazer o impossível: remendar e humanizar a velha ordem; situação que aponta ainda à radicalização das formas e táticas de sua luta, que transbordarão as margens cada vez mais estreitas em que são comprimidas.

Ouça já o Editorial Semanal de 28 de setembro de 2021:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin