GO: Camponeses resistem a despejo em Assentamento Popular Chê

No dia 23 de setembro, 45 famílias camponesas conquistaram a suspensão de um despejo, após resistirem à expulsão e às ameaças de truculência policial. Os trabalhadores permanecem no Assentamento Popular Chê, localizado no município de Piranhas em Goiás.

A ordem de despejo foi emitida em nome do juiz Jesus Rodrigues Camargos, no dia 11/09. Entretanto, semanas antes, um grupo de policiais, com a justificativa de realizar “levantamento da situação” tentaram entrar no assentamento, mas foram impedidos pelos camponeses.

Na mais recente ocasião, após ordem de despejo e diante da resistência dos camponeses, o comandante major Gilvani, da Polícia Militar (PM), solicitou reforço para a execução do despejo e, de acordo com denúncias, ameaçou os trabalhadores dizendo que iria fazer uso de força. Não intimidados com as ameaças, os camponeses permaneceram no assentamento. 

O longo histórico de resistência do Assentamento Popular

O assentamento totaliza uma área de 2,7 mil hectares, ocupados pelas famílias desde 2015, local definido para a “reforma agrária”. Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), trata-se de uma situação em que o velho Estado chegou a pagar 40% do valor da fazenda ao latifúndio e depois retrocedeu, fato que beneficiou o latifúndio que reivindicou a posse da área, dando início a um novo processo de desapropriação das terras e expulsão das famílias.

Os camponeses já haviam resistido a uma liminar de despejo, em meio a pandemia. No dia 20 de janeiro, um oficial de justiça foi até o acampamento comunicar que as famílias teriam 15 dias para desocupar a área. Em resposta ao oficial, um dos camponeses presente afirmou: “Não vamos desocupar a área, não. Porque não temos para onde ir. No meio de uma epidemia, como é que vai fazer? Vai aglomerar essas famílias num ginásio na cidade? Não tem condições”, relatou Gouveia ao Portal Brasil de Fato.

Produção das famílias do Assentamento Popular Chê. Foto: Divino Gouveia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin