Paraguai: Povos indígenas protestam com flechadas e queima de carros contra lei que criminaliza tomada de terras

Povos indígenas enfrentam a polícia durante votação de nova lei de terras no Paraguai. Foto: Getty Images

No Paraguai, centenas de indígenas protestaram no dia 29 de setembro contra a aprovação da lei que aumenta a pena de prisão contra os que ocuparem terras. A manifestação ocorreu próximo à Câmara dos Deputados, em Assunção, capital do país. Os indígenas foram duramente reprimidos pela polícia. Houve respostas por parte de indígenas com o lançamento de flechas contra os agentes e incêndios de carros.

A lei que estabelece que qualquer pessoa que "individualmente ou em concertação com outras pessoas, violentamente ou clandestinamente entre na propriedade de outra pessoa será punida com uma pena de prisão de até seis anos" terminou aprovada.

Em alguns casos a pena pode chegar até dez anos, como no caso de uma pessoa que ocupa propriedade privada para "se instalar" ou "causar danos à propriedade de outros", segundo alega a justiça reacionária.

Entre os feridos, está um agente policial que foi atingido por uma flecha.

Paraguai: o país com maior concentração de terras do mundo

O Paraguai possui a maior concentração fundiária do mundo, com 93% de suas terras concentradas pelo latifúndio. Concomitantemente, 19% do território paraguaio estava, segundo censo de 2008, em posse de estrangeiros. Muitos latifundiários brasileiros possuem terras também no Paraguai.

Além disso, referente à dita “reforma agrária” durante o regime militar paraguaio (1954-1989), que teve como gerente Alfredo Stroessner, o próprio relatório da “Comissão de Verdade e Justiça” relata que quase dois terços das terras entregues durante a reforma foram para pessoas próximas ao regime.

Diante disso, indígenas e camponeses sem terra ou com pouca terra protestam que vêm se organizando pela conquista da terra ampliaram sua luta apontando contra a nova lei, que aprofundará a repressão contra os que lutam por terra, contribuindo com a concentração de terra na mão do latifúndio exportador ou improdutivo.

"Eles nunca resolveram o problema da terra e querem nos fazer parecer criminosos", disse Derlis López, um dos representantes indígenas na manifestação.

Repressão e mais repressão…!

Enquanto os povos originários e camponeses exigem seu sagrado direito à terra, o promotor público Juan Carlos Ruiz Díaz emitiu uma ordem ao comandante da polícia nacional, Comissário Luis Arias, para identificar - através de fotografias e vídeos - as pessoas que participaram dos confrontos com a polícia.

Rubén Maciel Guerreño, vice-ministro de política criminal do Ministério do Interior, disse em sua conta no Twitter que "espero sinceramente que, simplesmente aumentando as penas, o crime seja reduzido; seria a solução mágica", sobre o aumento da pena para as ocupações de terra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin