MA: Mais de 4 mil pessoas estão a seis meses sem água potável após rompimento de barragem

Mais de 4 mil famílias estão sem água potável nas torneiras há cerca de seis meses, após o rompimento da barragem de rejeitos de minério da mineradora canadense Equinox Gold, que aconteceu no dia 25 de março, no distrito de Aurizona, em Godofredo Viana (MA).

O rompimento da barragem atingiu a Lagoa Pirocaua e envenenou todo o reservatório de captação de água do município. Esse rompimento impediu o fornecimento para os moradores de todo o distrito.

Frente a esta situação, a mineradora foi obrigada pela justiça a fornecer água para a população local. Segundo o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), segue fazendo sua captação nesse mesmo reservatório contaminado por lama tóxica, distribuindo à população, colocando em risco a saúde dos moradores.

Moradores de Aurizona protestam contra mineradora depois de rompimento criminoso de barragem. Foto: MAB

A luta da população por água potável

Os moradores têm se organizado para garantir o direito à água potável de maneira permanente para o uso diário. No dia 25 de abril, dezenas de moradores realizaram um protesto exigindo a melhoria imediata do fornecimento de água e denunciando que ficaram 30 dias sem acesso à água potável. A Polícia Militar (PM), esteve no local, prendeu de maneira truculenta Maria Aldineia e Maria Valdiene que participavam da manifestação.

Após esse fato, a mineradora promoveu uma ação judicial contra a liderança da comunidade como também de alguns integrantes do MAB. A medida busca impedir as massas da comunidade de realizarem protestos exigindo o direito de ter acesso à água potável.

Compreenda melhor o caso

Segundo a MAB a barragem que se rompeu é de responsabilidade da Equinox Gold, empresa privada canadense que atua em quatro estados brasileiros e também em países como Estados Unidos e México. Nessa área de 500 hectares concedida à empresa estão instaladas várias barragens, sendo a principal delas a barragem do Vené, uma barragem de rejeitos provenientes das operações de diversas minas a céu aberto. Entre as minas exploradas estão a Piaba e a Tatajuba, onde já foram descobertas 750 mil toneladas de ouro estocado, gerando uma estimativa de 1 bilhão de reais ao ano.

Desde a instalação da mineradora os moradores que viviam da caça, pesca e de pequenas plantações sofreram com a alteração de todo o seu modo de vida. Criminalizados através de vias judiciais pela empresa, os trabalhadores são proibidos de exercer atividades como a extração de caranguejos nos manguezais ou colher açaí, macaba, entre outros frutos, sob o risco de serem denunciados. Além disso, as explosões de dinamites da mineradora causaram cerca de quarenta rachaduras.

Em nota emitida no dia 08 de abril, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA), alegou que a causa do rompimento da Lagoa do Pirocaua não foi apenas o intenso volume de chuva, mas em decorrência da existência de uma outra cava de mineração que servia como reservatório de água pluvial. O órgão ressaltou ainda: “Estamos em luta de classes, sabemos que a empresa continuará negando, omitindo e manipulando os dados e os fatos da realidade, na tentativa desesperada de limpar sua imagem perante o imperialismo global assim como perante toda a sociedade”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin