África do Sul: Milhares de siderúrgicos em greve contra a crise

Em 5 de outubro, 155 mil operários siderúrgicos na África do Sul entraram em greve após rejeitarem a proposta de um novo contrato leonino de 3 anos com a Federação das Indústrias de Aço e Engenharia da África do Sul (FIAEAS). A greve geral por tempo indeterminado segue até agora e um trabalhador foi morto pelas forças de repressão durante as manifestações.

Em cinco das nove províncias  do país, onde os trabalhadores entraram em greve, foram realizadas marchas e piquetes. No distrito comercial central de Joanesburgo, cerca de 2 mil trabalhadores marcharam para entregar um documento com sua exigência salarial até a FIAEAS.

A FIAEAS oferecera, inicialmente, um aumento de 4,4% para 2021, ajuste à inflação mais 0,5% em 2022 e ajuste à inflação mais 1% no terceiro ano. Já os operários exigem um aumento de pelo meos 8% para 2021 e um aumento de 2% nos próximos dois anos sobre a taxa de inflação.

Quando a crise de superprodução desatou, e junto com ela a pandemia da Covid-19 começou, os fabricantes de automóveis interromperam a produção, levando a produção na indústria do aço a diminuir. No final, foram os trabalhadores siderúrgicos que pagaram o preço, uma vez que os proprietários recuperaram as perdas ao se recusarem a aumentar os salários apesar do aumento da inflação no país. No mês de agosto deste ano a inflação para o consumidor foi de mais de 4%.

A greve dos operários afeta não apenas o setor siderúrgico. Ela afeta também as indústrias de mineração, construção, engenharia e metalurgia e acabará atingindo as montadoras se elas não conseguirem garantir o fornecimento de aço. As montadoras de automóveis correspondem a 12% das exportações do país.

De acordo com o Sindicato Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (NUMSA) da África do Sul, espera-se que 300 mil trabalhadores siderúrgicos da NUMSA e de outros sindicatos participem da greve.

Repressão à luta dos siderúrgicos

Na cidade de Boksburg, os trabalhadores siderúrgicos realizavam uma marcha quando, em dado momento, um saque começou a acontecer em uma loja. Um segurança atirou contra a marcha e matou um trabalhador.

Já em Booysens, subúrbio de Johannesburgo, os trabalhadores se manifestaram em frente a uma fábrica de aço. Quando trabalhadores se recusaram a sair do local após aviso da polícia e seguranças, a polícia abriu fogo com balas de borracha, ferindo pelo menos um trabalhador.

Manifestação dos siderúrgicos grevistas. Foto: Xanderleigh Dookey Makhaza

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin