Ações de solidariedade internacional com a LCP são vistas no Equador, Alemanha, Dinamarca e Finlândia

Ações em solidariedade internacional à LCP no final de outubro, início de novembro. Foto: Banco de dados AND

No final do mês de outubro e início de novembro, ativistas alemães, dinamarqueses e finlandeses realizaram uma série de ações de solidariedade para os camponeses do Brasil. As manifestações ocorrem em meio à dura luta travada pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) contra os despejos em Rondônia

Camponeses Pobres do Equador manifestam solidariedade à LCP

Camponeses pobres do Equador divulgaram uma nota em solidariedade à LCP, seguida de imagens de ações realizadas pelos mesmos. Em sua nota, eles iniciam afirmando que mais de 3 mil tropas militares apoiadas por paramilitares e assassinos contratados atacam sem medir o uso de armas letais contra os homens e mulheres, filhos do povo que "têm dado meios para lutar e resistir como corresponde a uma organização que tem uma liderança ideológica correta".

E seguem, dizendo que a ofensiva da reação não só responde à necessidade dos latifundiários de neutralizar a LCP, mas também de atacar a organização por ter prestado respeito e homenagem à memória do Presidente Gonzalo: "Sonhos de cachorros têm a reação, os latifundiários e o imperialismo se acreditam que existe alguma maneira humana de despojar os camponeses de sua ousadia e propósitos justos que têm os camponeses de lutar pela conquista da terra a qualquer custo, muito menos renunciar ao direito de abraçar e desfraldar as bandeiras que o Presidente Gonzalo levantou", enfatizam.

Os camponeses afirmam que a LCP tem o apoio das classes e povos oprimidos do mundo, que sua luta é a mesma que travam todos os camponeses pobres de qualquer país do terceiro mundo, e que desde já traça o caminho da Revolução Agrária, de Nova Democracia e do Socialismo. Eles condenam o velho Estado do Brasil, suas classes dominantes, seus governantes pela abjeta campanha militar contra os camponeses nas Áreas de Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira.

"Estamos condenados a triunfar, a conquistar a terra, a derrotar o imperialismo, a destruir a semifeudalidade, o capitalismo burocrático e a esmagar o revisionismo. Não há como ser diferente, custe o que custar, vamos lutar, vamos resistir e vamos triunfar, é assim que há de ser", destacam os camponeses pobres. Eles declaram ainda que: "companheiros dos acampamentos de Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira, estamos com suas lutas, seu sangue é nosso sangue, suas vitórias, nossas vitórias."

Ações realizadas pelos camponeses pobres do Equador em solidariedade com a LCP. Fotos: Frente de Defesa das Lutas do Povo do Equador.

Na Alemanha, diversas manifestações em apoio à LCP

O Comitê Vermelho de Mulheres de Bremen, na Alemanha, realizou três manifestações simultâneas em diferentes pontos da cidade no dia 30/10. As manifestações ergueram alto a importância da solidariedade internacional com as massas em luta por todo o mundo, mais especificamente a luta que está sendo travada pela LCP no Brasil, nas Áreas Tiago dos Santos e Ademar Ferreira. 

De acordo com o portal de notícias revolucionário Dem Volke Dienen, muitos que passaram pelas manifestações pararam, perguntaram com interesse e se solidarizaram com o povo brasileiro. Especialmente em Gröpelingen - um dos distritos mais pobres de Bremen - a campanha atraiu muito o interesse das massas. 

Vários panfletos relatando a situação foram distribuídos: “O povo brasileiro está lutando! Acima de tudo, a luta dos camponeses pobres e sem-terra pela terra que lhes foi tirada ilegalmente pelo governo brasileiro e pelos latifundiários é de grande importância", dizia o início dos panfletos.

O papel de Cysneiros Pachá e de Marcos Rocha também foram denunciados no planejamento do novo massacre contra os camponeses de Rondônia.

Manifestações realizadas pelo Comitê Vermelho de Mulheres de Bremen em pontos distintos da cidade. Fotos: Dem Volke Dienen

Já, em frente à Casa Colombo em Hamburgo - onde está localizado o consulado brasileiro -, a Aliança contra a Agressão Imperialista realizou uma manifestação de solidariedade com os camponeses pobres e sem terra de Rondônia, na tarde de 29 de outubro. Foram feitos discursos denunciando o ataque reacionário do velho Estado brasileiro às Áreas Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira e destacando a luta heróica que o movimento camponês revolucionário está travando. Para este fim, inúmeros folhetos foram distribuídos a transeuntes informando sobre a situação.

Palavras de ordem foram gritadas em alemão e português, a questão da luta pela terra foi enfatizada e, de acordo com o portal de notícias revolucionário Dem Volke Dienen, o "genocida Bolsonaro e seus capangas Marcos Rocha e Hélio Cysneiros Pachá foram condenados com o mais profundo ódio de classe".

Em sua publicação sobre o ato, o portal afirma que a luta pela terra dos camponeses pobres e sem terra nas Áreas Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira mostra a vontade do povo brasileiro de lutar e que existe uma situação revolucionária altamente desenvolvida.

"Os companheiros nas terras estão dando suas vidas na luta contra o velho Estado, seu governo genocida e seus soldados que estão manchando cada vez mais as mãos com o sangue do povo. O sangue deles é o nosso sangue! Assim, é tarefa dos revolucionários proletários na RFA [República Federal da Alemanha], assim como em todos os outros países, apoiar a luta dos companheiros no Brasil com a solidariedade de classe vinda do fundo do coração", concluem.

Na cidade de Bremen, uma ousada ação de pichação foi realizada no Consulado Honorário do Brasil. A frase escrita foi Viva a LCP!.

Manifestação realizada em Hamburgo. Foto: Dem Volke Dienen

Pichação realizada no consulado honorário do Brasil em Bremen. Foto: Dem Volke Dienen

FINLÂNDIA: ESCOLA POPULAR estuda acontecimentos recentes

Uma Escola Popular foi realizada em Tampere, na Finlândia, em uma cafeteria local, onde, além de abordada a história e lutas em geral da LCP, foram estudadas as "reviravoltas vitoriosas de Tiago dos Santos, nas quais policiais militares e a Força Nacional a serviço dos latifundiários fracassaram completamente em suas tentativas de expulsar camponeses pobres das terras ocupadas. O sucesso da resistência dos camponeses mostrou que ninguém ganha o povo unido, e que o inimigo mais "poderoso" é, na verdade, apenas um tigre de papel".

Os presentes viram fotos da vida dos camponeses pobres nas Áreas e um vídeo de solidariedade que eles fizeram com os camponeses pobres da Índia. Eles também cantaram juntos o arranjo finlandês feito da música Santa Elina É Dos Camponeses.

Ativistas finlandeses em uma escola popular seguram uma bandeira da LCP e dois cartazes dizendo: Marcos Rocha é um assassino!, Cysneiros Pachá é um assassino!. Foto: uusibrasilia.wordpress

Dinamarca: ato público de agitação e propaganda levanta alto a solidariedade internacional

Em Copenhague, capital da Dinamarca, os revolucionários realizaram uma manifestação. Havia uma faixa com a consigna Apoie a luta dos camponeses pobres no Brasil! e foi realizada a distribuição de panfletos condenando a Operação “Nova Mutum”, levada a cabo pela PM-RO e Força Nacional de Segurança para o massacre dos camponeses pobres em Rondônia.

Manifestação em apoio à LCP na Dinamarca. Foto: socialistiskrevolution

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin