Polônia: Migrantes se rebelam e rompem a fronteira

Durante toda a segunda semana do mês de novembro milhares de migrantes se rebelaram em resposta à brutal repressão das forças de repressão na fronteira entre a Polônia e a Bielorrússia. Entre crianças, idosos, mulheres e homens que integravam o protesto, muitos lograram romper por alguns momentos, as cercas da fronteira. Os migrantes foram atacados pelas forças polonesas com gás lacrimogêneo e jatos d’água em meio ao inverno que apresenta temperaturas baixíssimas.

Esses milhares de migrantes rumam à Polônia na tentativa de chegar à União Europeia. Muitos vêm de países devastados por guerras de rapina promovido pelos países imperialistas europeus. Eles se encontravam acampados na fronteira sem qualquer estrutura senão barracas próprias. As temperaturas gélidas que atingem agora o hemisfério norte marcavam, durante o dia, uma média de 1°C, e durante a noite, temperaturas negativas. 

Vivendo em condições atrozes, os migrantes se esquentavam e cozinhavam através de fogueiras improvisadas e mesmo as “Organizações Não Governamentais” (ONGs) estavam proibidas de irem até os imigrantes com comida e outros mantimentos. No meio da floresta, seus celulares foram confiscados pelos agentes da Bielorrússia e eles foram deixados lá sem saber como voltar para suas cidades.

Diante da repressão das forças do velho Estado polonês para os repelir do local, os agentes foram confrontados com lançamento de pedras pelos migrantes, com um policial ficando gravemente ferido. Cerca de 50 migrantes conseguiram alcançar o outro lado da fronteira, o território polonês, mas depois foram retirados.

Pelo menos 11 pessoas morreram na fronteira, tentando atravessá-la, nas últimas semanas.

Migrantes marcham em direção à fronteira. Foto: Oksana Manchuk

Migrantes se rebelam contra condições atrozes em acampamento na fronteira. Foto: Oksana Manchuk


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin