Major da PM condenado pela morte do pedreiro Amarildo vai receber R$30 mil do governo do Rio de Janeiro

O Major Edson Raimundo dos Santos foi um dos PMs condenados pela tortura e morte do pedreiro Amarildo Souza, em 2013. Foto: Reprodução.

O major da Polícia Militar (PM), Edson Raimundo dos Santos, um dos condenados pela morte do pedreiro Amarildo Souza em 2013, vai receber R$ 30 mil de indenização do governo do Rio de Janeiro. Em 2013, ano em que ocorreu o crime, o major Edson era comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, local onde Amarildo foi barbaramente torturado e morto.

A quantia foi cobrada pela defesa do militar sob a alegação que Edson trabalhou como ajudante de pedreiro dentro da penitenciária no tempo em que esteve preso (2013 a 2019). O major foi condenado em 2016 a 13 anos de prisão, porém está solto desde 2019 após obter liberdade condicional. A decisão sobre o dinheiro que o major receberá foi assinada pela juíza Renata de Lima Machado, do 3º Juizado Especial Fazendário e publicada no início de outubro.

Leia Também: Grupo de extermínio e militares esfaqueiam e executam dezenas em São Gonçalo, RJ

O major Edson Raimundo, mesmo condenado e cumprindo pena pela morte, tortura e ocultação do cadáver do pedreiro, nunca deixou de receber os vencimentos do cargo de PM. Em 2021 ele foi reintegrado ao quadro de oficiais e atualmente integra a Diretoria Geral de Pessoal (DGP), sem exercer nenhuma função. O militar está na fila para receber uma promoção de carreira dentro da corporação e se tornar tenente-coronel.

Cadê o Amarildo?

Amarildo de Souza morava na Rocinha e trabalhava como ajudante de pedreiro. No dia 14 de julho de 2013  foi morto em durante a Operação chamada Paz Armada. No segundo semestre do ano de 2013, marcado por grandes levantamentos populares no país, as ruas do Rio de Janeiro foram tomadas com cartazes, faixas e gritos de manifestantes que exigiam resposta para a pergunta Cadê o Amarildo?.

O caso ganhou ainda mais repercussão quando foram divulgadas as imagens de câmeras de segurança. Nelas, aparece o trabalhador sendo levado de viatura para uma construção da UPP no alto do morro da Rocinha. Ali o trabalhador foi torturado, numa ação conduzida por Edson dos Santos. De lá, o corpo de Amarildo, já sem vida, foi levado para outras partes mais baixas da favela, em um trajeto monitorado.

O momento exato em que Amarildo entrou na UPP da Rocinha foi filmado. Bem como o momento em que os mesmos policiais que o conduziram saem com o carro de polícia. Ainda assim, a condenação pelo crime só saiu 3 anos depois, no ano de 2016. O corpo do trabalhador nunca foi encontrado.

Nesta ocasião, especialistas apontaram que a juíza usou de vários recursos para isentar os crimes cometidos pela instituição reacionária da Polícia Militar sobre o povo preto e pobre das favelas. Entre esses recursos está a individualização da culpa dos agentes policiais, no argumento usado pela juíza que os policiais eram “despreparados” e “ineficientes” e no seu discurso sobre os “desvios de conduta” e na necessidade de punição dos “maus policiais”, ofuscando que o modo de atuação genocida é o modo de atuação padrão aplicado pelas forças de repressão.

Em 2013, em meio aos grandes levantamentos de massa que ocorreram em todo o país, muitos manifestantes carregavam faixas e cartazes durante os atos com a pergunta: Cade o Amarildo? Foto: Fernando Frazão

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin