USA: Fascista que assassinou dois manifestantes antifascistas é inocentado em julgamento

Kyle Rittenhouse chorando, dia 10 de novembro de 2021, no tribunal. Foto: Getty Images

O jovem reacionário Kyle Rittenhouse foi absolvido no dia 19 de novembro, três semanas após ter concluído o seu julgamento por ter assassinado dois manifestantes antifascistas e ferido outro durante um protesto em 2020, em Kenosha, Wisconsin. A manifestação era contra o alvejamento de Jacob Blake pela polícia, homem preto estadunidense que foi atingido com sete tiros disparados pelos agentes pelas suas costas. O assasinato ocorreu em frente aos seus filhos, deixando Blake parcialmente paralisado.

O adolescente de 17 anos (em 2020) morava em Antioch, no estado de Illinois, a cerca de 33 km de Kenosha. Ele cruzou a divisa armado de uma AR-15 até o estado vizinho em resposta ao chamado de grupos fascistas para um contra-protesto em “defesa da propriedade privada”. 

Durante o protesto, ele começou a atirar contra a multidão, atirando contra e assassinando o manifestante Joseph Rosenbaum (de 36 anos). O médico legista testemunhou que Rittenhouse atirou quatro vezes em Rosenbaum - duas vezes na frente, uma nas costas e uma ao lado da cabeça. O tiro fatal nas costas veio enquanto seu corpo se inclinava para frente.

Após o covarde assassinato cometido pelo fascista, diversos manifestantes, demonstrando revolta e coragem, avançaram contra Rittenhouse, tentando desarmá-lo para evitar outras mortes. O fascista então atirou contra Anthony Huber (de 26 anos, pai de uma menina de 2 anos). Anthony, de acordo com sua namorada que também estava no protesto, a empurrou para longe do fascista e foi em direção ao mesmo, numa tentativa de segurar o fuzil para protegê-la e os manifestantes em volta. Huber foi morto com um tiro no peito por Kyle.

Gaige Grosskreutz (hoje 27 anos), paramédico, havia ido até o protesto para prestar apoio médico aos manifestantes. Quando os manifestantes começaram a apontar para Kyle e dizer que ele havia matado alguém, Grosskreutz sacou sua pistola. Kyle então atirou contra o braço do homem que vestia a identificação de paramédico. Gaige teve que passar por diversas cirurgias e tratamentos desde então e 90% do seu bíceps se encontra lesado.

Rittenhouse então caminhou até uma barricada de policiais com uma viatura e três blindados, de mãos para cima, com a multidão gritando “ele matou alguém!”, com os corpos estirados no chão, e não foi preso. Ele só foi preso no dia seguinte, em sua casa.

Tanto o paramédico Grosskreutz, quanto o pai de Anthony Huber, entraram com processos contra o Estado imperialista do USA, denunciando que havia uma orientação dada pelos policiais de Kenosha, que haviam se reunido com as milícias fascistas para discutir e coordenar estratégias de repressão ao protesto.

Inocentado

Kyle Rittenhouse segurando uma AR-15 em Kenosha, em agosto de 2020. Foto: Adam Rogan

Rittenhouse foi considerado inocente em todas as acusações apresentadas, incluindo homicídio doloso, homicídio de primeiro grau “imprudente” *, tentativa de homicídio doloso de primeiro grau e duas acusações de colocar pessoas em perigo “imprudentemente” de primeiro grau. O juiz responsável pelo caso desconsiderou até mesmo a acusação de portar ilegalmente uma arma enquanto menor de idade. Esta acusação, mesmo antes da deliberação do júri sobre seu absolvimento, era algo que carecia de qualquer interpretação para ser confirmada.

Durante o julgamento, o fascista Kyle Rittenhouse chorou copiosamente no tribunal e disse que estava lá “protegendo” uma concessionária de carros.

Após a acusação, em 5 de janeiro deste ano, Kyle foi visto, ainda menor de idade, bebendo em um bar, usando uma camiseta escrita “free as fuck” ou “livre para caralho” em português, confraternizando e tirando fotos com fascistas que o felicitaram, da reconhecida gangue Proud Boys (Garotos Orgulhosos em português), fazendo gestos de simbologia fascista nas fotos. 

Milhares de massas protestam pelo USA

Na mesma noite em que o fascista foi absolvido, protestos com centenas de pessoas aconteceram em Portland (Oregon), Chicago (Illinois), Nova Iorque (Nova Iorque) e Columbus (Ohio). No estado da Califórnia, em Oakland, San Diego e Los Angeles também aconteceram manifestações.

Em Portland – uma das cidades que teve protestos durante o ano passado, em mais de 100 dias ininterruptos –, 200 pessoas se manifestaram e a polícia rapidamente declarou o protesto uma “rebelião”, tendo assim mais poder de repressão. Uma pessoa foi presa.

Em Chicago, cerca de 100 de pessoas se reuniram no centro da cidade e marcharam pelas principais ruas da cidade. Eles entoavam palavras de ordem como O veredito do povo: culpado! e Rittenhouse: Culpado!

Manifestantes marcham contra o veredito em Chicago. Foto: Tyler LaRiviere

Em Nova Iorque, 200 manifestantes se manifestaram no Brooklyn enquanto ocorria um jogo de basquete na arena Barclays Center e milhares de pessoas passavam pelo local. Após isso, eles seguiram em sentido à ponte de Manhattan. No bairro do queens, durante a manifestação, cinco pessoas foram detidas pela polícia.

Em Oakland, 100 pessoas marcharam da frente da prefeitura até o Prédio Federal. 

Dois pesos duas medidas

De acordo com o editorial sobre o caso lançado pelo jornal democrático e popular estadunidense, Tribuna do Povo, o Estado imperialista entende que Rittenhouse e os outros reacionários civis com quem ele se reuniu em Kenosha compartilham um objetivo comum com a polícia no uso da violência para defender o sistema imperialista, o que é ainda mais reforçado pelas idéias racistas da classe dominante que dividem os trabalhadores.

Os revolucionários estadunidenses comparam com o caso de Michael Forest Reinoehl, um “herói dos protestos de Portland” que matou um reacionário que havia atacado manifestantes. O jovem foi caçado e assassinado em uma execução extrajudicial por um agente do FBI nas semanas após os protestos de Kenosha por uma Força Tarefa Federal Para Fugitivos.

Eles destacam: “O Estado [imperialista] traça uma linha clara entre aqueles que usam a violência para defender o povo, e os reacionários que usam a violência para defender a propriedade”.


Notas:

* Homicídio imprudente de primeiro grau (ou First-degree reckless homicide em inglês): Se você alegadamente causou a morte de outra pessoa ao mostrar um "desrespeito total pela vida humana", você pode enfrentar um homicídio imprudente de primeiro grau e um crime de classe B.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin