SC: Em luta, quilombo celebra formatura

O Quilombo Vidal Martins, de Florianópolis, ameaçado de despejo de sua terra ancestral pelo governo de Santa Catarina, realizou em 18 de dezembro a formatura solene de 52 alunos. Mesmo prejudicados pela pandemia de Covid-19 (desleixo por parte das “autoridades” oficiais), os estudantes quilombolas e suas famílias mostraram que a diplomação foi mais uma vitória do grupo, que resiste combativamente dentro do Parque do Rio Vermelho, território antigo retomado por eles desde fevereiro de 2020.

“A educação quilombola tem avançado e assumido um papel emancipador”, afirmou orgulhosa Helena Vidal de Oliveira, uma das líderes, ao jornal AND, que foi especialmente convidado para a cerimônia.

Ela informou também, satisfeita, que cinco alunos do Quilombo passaram no vestibular recentemente, e que quase metade dos professores contratados na educação escolar quilombola pertencem à própria comunidade do Vidal Martins.

Quilombo Vidal Martins, de Florianópolis, realiza formatura de 52 estudantes de cinco turmas de 2017 a 2021. Foto: Henry Muratore

Painel com fotos de alguns dos formandos do Quilombo Vidal Martins. Foto: Henry Muratore

ORALIDADE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

Entre os formandos estavam cinco turmas (Nivelamento, Ensino Fundamental, Ensino Médio) dos anos 2017 a 2021.

Em 2019 após ser reconhecida como fundamental para as comunidades quilombolas foi instituída ali a disciplina Saberes e Fazeres, “com habilidades e competências fundamentadas nos eixos da educação quilombola”, conforme explicou a também líder Shirlen V. de Oliveira, irmã de Helena. Estas seriam: oralidade, ancestralidade, mulher quilombola, territorialidade, cultura afro-brasileira, africanidade e saberes locais, e tecnologias sustentáveis.

Hoje a educação escolar quilombola Vidal Martins se localiza na própria área da Retomada, no Camping do Parque Rio Vermelho, “com infraestrutura adequada e salas de aula com carteiras e quadros; contando ainda com  banheiros e cozinha comunitária”. Além de uma biblioteca, apelidada de “quilomboteca”.

Leia também: SC: Quilombolas se rebelam e retomam terra ancestral

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin