PR: Comitê de Apoio realiza brigada de venda no Terminal Guadalupe

Brigadista distribuindo exemplares de AND. Foto: Banco de dados AND

No dia 22 de dezembro ativistas do Comitê de Apoio de Curitiba (PR) realizaram uma vitoriosa brigada de venda e distribuição de jornais - incluindo a nova edição n.º 245. O ato foi realizado no Terminal Guadalupe, localizado no Centro da capital paranaense.

As condições de tempo adversas não impediram que o local fosse, como sempre, um ponto de grande concentração de trabalhadores. O clima chuvoso contribuiu para enfatizar a frustração das massas, que ao chegarem em casa não sabem sequer se terão água encanada para consumo. Isto ocorre devido à recente suspensão do rodízio de água em Curitiba e região metropolitana por parte da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar).

Os brigadistas foram responsáveis por realizar uma exitosa atividade de diálogo com a população presente no terminal em conjunto à divulgação e venda de exemplares do Jornal AND. Os atos do Comitê de Apoio no Guadalupe já ocorrem há cerca de um ano, e vêm sendo recebidos com fervor pelas massas que frequentemente chamam os participantes para conversarem e receberem exemplares de AND, debatem entre si e reconhecem o trabalho realizado.

FRUSTRAÇÃO DAS MASSAS COM A FARSA ELEITORAL

Durante as agitações e conversas com o povo, foram retratadas as mazelas que atingem as massas brasileiras. Um dos temas que surgiram foi a alta do preço da carne em todo o Brasil, fato que escancara o projeto do latifúndio que objetiva em prol do lucro: a miséria e a fome das massas. Organizações ruralistas, como o Departamento de Economia Rural (Deral), tentam ainda justificar de maneira esdrúxula o elevado preço da carne, apontando a estiagem generalizada e a volta da exportação para a China como fatores decisivos. Todavia, sabe-se que há gado sobrando e que a acumulação é intencional para que o preço não abaixe.

Também foi destacada a brava luta do campesinato no Brasil e em toda a América Latina, enfatizando-se a heroica resistência da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) contra as forças reacionárias da Operação ‘Nova Mutum’, na Área Tiago dos Santos. Além disso, foi mantida viva a memória do companheiro José Fonseca (Pelé), um dos fundadores da LCP de Rondônia, falecido no último dia 8 de dezembro, em Couto Magalhães/TO vítima de negligência médica após sofrer um infarto.

Nas falas dos brigadistas foram relembradas também as lutas dos povos indígenas. Houve destaque para a intensificação da resistência nos estados do Rio Grande do Sul e do Paraná. Na Serra Gaúcha, oito famílias da etnia Mbya-Guarani foram responsáveis por retomar mais de 700 hectares de terras roubadas pela Companhia Estadual de Geração de Energia Elétrica (CEEE/RS), em região próxima à Usina Hidrelétrica de Bugres (UHE Bugres) construída covardemente sob expulsão dos indígenas nos municípios de São Francisco de Paula/RS e Canela/RS. Já em Curitiba/PR, mais de 50 famílias Kaingang e Guarani ocuparam a frente do Palácio das Araucárias, e, mais recentemente, um espaço próximo à Prefeitura e ao Palácio do Iguaçu, a fim de exigir a reabertura da Casa de Passagem Indígena (Capai), fechada desde o início de 2020.

Com a chegada de 2022, outro tema de altíssima relevância abordado pelos participantes foi a farsa eleitoral. Com o Jornal AND em mãos, os brigadistas enfatizaram que a imprensa popular e democrática é independente de qualquer partido político. No diálogo com as massas a respeito das eleições presidenciais de 2022, ressaltou-se a impossibilidade de que qualquer gerente de turno do velho Estado seja responsável por uma mudança efetiva na vida do povo brasileiro. A partir disso, percebeu-se com clareza a frustração da população com as lideranças políticas do decadente Estado burguês-latifundiário. Ao mesmo tempo, encorajou-se fulgurosamente o boicote à farsa eleitoral e salientou-se que o único caminho viável é a justa luta das massas rumo à Revolução de Nova Democracia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin