PR: Indígenas realizam grandiosa resistência e ocupação em Curitiba

Mulheres e crianças indígenas com o artesanato. Foto: Sandra Nodari

Cercados de promessas e traições, indígenas Kaingang e Guarani ocupam desde 10 de dezembro os arredores do Palácio da Araucária e da prefeitura de Curitiba, capital do estado do Paraná, exigindo a reabertura da Casa de Passagem Indígena (Capai).

O protesto foi iniciado por cerca de 30 indígenas, entre eles 10 crianças. Atualmente há mais de 50 famílias no local e este número tem aumentado a cada dia. O AND visitou a ocupação que agora migra para um espaço próximo ao Palácio do Iguaçu.

As primeiras famílias a ocuparem denunciam que estão desde o dia 04/12 desabrigadas após percorrerem quase 400 km até a capital, entretanto este foi apenas um dos casos de negligência. Desde março de 2020, a Capai está fechada sob a alegação do advento da pandemia de Covid-19. Isto deixa as famílias que buscam atendimento na capital desamparadas.

A Capai é um espaço de direito garantido que costumava abrigar os povos originários advindos do Paraná e Santa Catarina para a venda de artesanato nas ruas e feiras durante os períodos de festividade. Esse local é administrado pela Fundação de Ação Social de Curitiba (FAS), cuja ignorância e desprezo com as demandas dos povos indígenas vem sendo denunciada pelas famílias.

A primeira família Kaingang de cinco pessoas a vir durante o período de julho deste ano a Capai foi completamente desassistida. Segundo denúncias, a responsável pela Casa de Passagem tecia uma série de desculpas esfarrapadas para a não reabertura e oferecia até mesmo soluções frágeis e violentas, como a separação das famílias.

Em 16/12, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) intermediou as exigências de abertura da Capai feita pelos indígenas ao facínora Rafael Greca, prefeito da cidade, porém nenhuma solução foi proposta pelos responsáveis institucionais e as famílias vindas do interior do estado, com crianças e mulheres grávidas seguiam sendo destinadas às ruas frias da capital. A Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social (Sudis) afirmou que ofereceu verba para o retorno do funcionamento da Capai e que a prefeitura negou.

Conjuntamente, a FAS (sarcasticamente intitulada como “FAS de conta” pelos manifestantes) segue tentando evitar resoluções à situação e esforçando-se para invisibilizar os protestos ali realizados.

A vitoriosa ocupação surge em meio a festividade natalina que se intitula “Paz, Luz e Gratidão”, evento promovido pela prefeitura. Foi relatado que a Guarda Municipal têm sido utilizados para que as demais pessoas não vejam a ocupação.

Apesar desses ataques constantes e a negligência intencional da Prefeitura de Curitiba, os indígenas se mantêm firmes em seu espírito guerreiro. Os povos durante a ocupação entoam a certeza de que permanecerão até que se aponte uma solução e que, se necessário, abrirão no meio do centro, coração do estado do Paraná, uma grande aldeia.

Leia também: SC: Indígenas Kaingang e Guaranis ocupam terminal exigindo a construção de Casa de Passagem

Manifestação de apoio e campanha Casa de Passagem, Já! Foto: Julio Carignano

Acampamento e artesanato. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin