BA: Desprezado pelo governo, povo encara as consequências de temporais

Consequências de temporais previsíveis são o retrato do desprezo que governantes têm pelo povo. Foto: Amanda Perobelli

Chegou a 116 o número de municípios atingidos pelas consequências da chuva, 100 deles já decretaram estado de emergência e outros 70 se encontram em estado de crise. Mais de 60 mil pessoas estão desabrigadas e desalojadas. O número de feridos por acidentes ultrapassa os 350. 

A chuva, que afeta mais de 471 mil pessoas, tem previsão de prosseguir até o início da próxima semana. Isto leva a revolta e o desespero à população, que enfrenta as chuvas desde o dia 8 de dezembro. Inicialmente, os temporais atingiram somente o sul do estado. Atualmente já há cidades no sul, no oeste e no norte baiano que decretaram estado de emergência.

Até o fechamento desta matéria o número de mortes confirmadas era de 20 pessoas. Outras pessoas seguem desaparecidas.

Desalojados, desabrigados e barragens rompidas

Famílias perderam suas casas de uma hora para outra, ficando desalojadas e tendo que se dirigir para escolas. Caixões de mortos tiveram de ser transportados de barco. Cidades inteiras estão sem abastecimento de energia e de água. Estoques de remédios e vacinas foram destruídos pela força das águas. Moradores saem de casa sabendo que podem jamais retornar para ela, perdendo tudo o que têm. É este o cenário atual da Bahia.

Caixão com morto é recebido de barco pela família. Foto: Camila Souza

Além da chuva, pelo menos uma barragem com alto volume de água, localizada em Itambé , rompeu-se. Isto levou a enxurrada de água e imensos alagamentos para alguns pontos da cidade localizada no sudoeste do estado.

O Comando do Corpo de Bombeiros da Bahia afirmou que se trata de barragens privadas que estão se rompendo. Elas são construídas por latifundiários e não contam com estrutura adequada para uma situação de muita água decorrente de fortes temporais. Ao menos 10 delas estão em nível crítico.

Nas rodovias há pelo menos 25 pontos de interdição provocados por consequências das chuvas.

A energia de muitas cidades também foi cortada pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) para evitar acidentes.

Negligência e descaso

Governos estaduais e municipais do estado da Bahia não se anteciparam no sentido de mitigar as consequências das fortes chuvas para a população. Nem mesmo três alertas emitidos desde o dia 20 de dezembro por órgãos meteorológicos, como o Centro Nacional de Monitoramento de Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), foram suficientes para que o governador e os prefeitos fizessem planos concretos sobre o que fazer ao desabar das fortes chuvas.

O volume imenso de água acima das próprias expectativas era somente em termos imprevisíveis. As fortes chuvas e as conhecidas consequências delas, por sua vez, eram já de conhecimento de todos. Um relatório dos relatórios da Cemaden indicava que a partir da previsão de temporais era possível “identificar um ALTO RISCO de ocorrência de novos deslizamentos de terra e inundações”.

Bombeiros carregam caixão com vítima das enxurradas. Foto: Camila Souza 

Outras regiões do país já tem uma verdadeira rotina de desalojados por consequência das chuvas. Contudo, assim como ocorre na Bahia, episódios deste tipo não conduzem os governadores e prefeitos a se mobilizarem para melhorar a situação.

Tragédia anunciada

Monopólios de imprensa e representantes dos governos buscam ofuscar o descaso focando somente no fenômeno natural. Buscando também se antecipar à justa indignação que surge juntamente com a solidariedade com os atingidos, apontam que os temporais nesta região no início do verão é um fenômeno atípico. Em realidade, as explicações meteorológicas ofuscam a raiz da questão, que é o descaso com que os governos tratam o saneamento básico e o planejamento para enfrentar situações de fortes chuvas.

Especialistas indicam que os temporais são decorrentes da La Niña, fenômeno climático que altera o padrão de chuva e a temperatura de todo o globo. De fato as fortes chuvas, que neste quase finalizado mês de dezembro registrou, só em Salvador, mais de 200 mm (quando a média de precipitação registrada na cidade é de 51 mm), não são comuns. Porém em maio o índice pluviométrico registra uma média de 190mm. O que de fato ocorre é que a tragédia anunciada veio antes, causando surpresa nos governantes e um misto de tristeza e revolta na população.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e o próprio Cemaden já emitiram estudos apontando que o país tem, atualmente, cerca de 8,2 milhões de pessoas vivem em áreas que apresentam riscos de desastres. Não há, porém, sequer um estado brasileiro em que o governo tenha um plano sobre como alocar famílias que podem perder tudo de uma hora para outra. No Rio de Janeiro, por exemplo, a prefeitura de Eduardo Paes utilizou menos de 1/3 do orçamento para ações contra enchentes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin