Editorial semanal - Mordomia e reação

No final do ano uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou que o Ministério da Defesa, comandado pelo energúmeno Braga Netto, gastou verba destinada ao combate à pandemia – que já ceifou mais de 650 mil vidas brasileiras – para comprar itens de luxo, como filé mignon, picanha, salmão, bacalhau e bebidas alcoólicas (paladar refinado o dos senhores generais e altos funcionários!). O montante gasto, identificado apenas nessa apuração (imaginemos aquele que foi melhor escondido!), foi de R$ 535 mil, isto é, meio milhão de reais.

O relatório do TCU aponta ainda que, dos organismos superiores do Executivo, foi o Ministério da Defesa que, exorbitantemente, mais gastou os recursos destinado à prevenção da pandemia a bel-prazer. “Dos recursos destinados ao combate à pandemia utilizados indevidamente para aquisição de itens não essenciais, 96% foram despendidos pelo Ministério da Defesa”, frisa.

Recordemos que esse não foi o primeiro caso de escárnio geral da alta casta castrense reacionária: os altos oficiais, em apurações outras, já foram flagrados comprando, com recursos públicos, 700 toneladas de picanha e 80 mil cervejas, além de whisky.

Ora, não seriam esses senhores generais os castos tutores da República, reserva moral e ilibados administradores, chamados “pelo destino” a salvar a Nação da chaga da corrupção e do Comunismo? Fazem o que bem entendem, pois no fim das contas são eles tão ou mais corruptos que o resto do aparato de Estado. O fazem com a convicção de impunidade, pois sabem-se temidos pela covardia dos liberais reacionários que arrotam valentia. Os senhores generais, em particular, aproveitando-se do fato de serem por excelência – hoje, mais do que nunca! – a espinha dorsal de sustentação de toda a podre ordem de exploração e opressão, dão rédeas soltas a suas mutretas, e que acatem os demais. Haja vista toda a maquinação para aprovar no parlamento a previdência milionária para os altos oficiais, com espionagem de personalidades e políticos – antessala da chantagem – e cujos privilégios adquiridos são tão gritantes e odiosos, que puseram de pé, em protesto, até mesmo as praças e a baixa oficialidade das Forças Armadas reacionárias.

Assim, os altos oficiais destas são, ao mesmo tempo, espelho e reflexo de todo o aparato de Estado: isto é, toda a malandragem, a cultura de feudo de apropriação individual do que é público, mordomias e o espírito come-e-dorme que em seus altos escalões faz febre, medram secular e costumeiramente nessas altas hostes castrenses.

A história de nosso país e, particularmente, a contemporânea, tem sido, até aqui, a sucessão de tentativas do nosso povo por alcançar a liberdade e instituir uma República democrática livre da dominação imperialista e das garras dos latifundiários semifeudais, tentativas esmagadas a ferro, fogo e sangue pelas hordas reacionárias no país. E eles se preparam e se prepararão para esmagá-las sempre que o sistema de exploração e opressão, do qual são guardiães caninos, achar-se ameaçado. Essa é a razão de ser das Forças Armadas reacionárias, cujo alto oficialato, com raríssimas exceções, é imagem e semelhança da podridão que impera em nossa pátria.

Ocorre que, agora, a História universal, da humanidade – e o nosso país e nossa sociedade como parte dela – está entrando em um novo período, em que todas as contradições fundamentais se agravam incrivelmente; contradições insolúveis sem a construção de uma nova ordem surgida da destruição da velha ordem reinante. O mundo entra já em um período de grandes catástrofes e comoções sociais tormentosas acompanhadas de excepcionais possibilidades de transformação. Nessa época, se a frente do povo estiver seu Estado-maior esclarecido e decidido, nada poderão fazer, nem as Forças Armadas reacionárias e nem seus amos – o imperialismo, principalmente ianque – que serão varridos com todo seu arsenal da face da Terra.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin