Indígenas criam escola virtual e diplomam alunos brancos

Este ano de 2021 encerra-se com uma importante conquista indígena brasileira, impensável pouco tempo atrás. Impensável  e até surpreendente em meio à perseguição e aos ataques por parte do velho Estado, gerenciado pelo miliciano fascista Jair Bolsonaro e seus militares. Trata-se de uma escola, de âmbito nacional e internacional, onde os professores são índios ou pessoas com fortes laços com os povos das aldeias. E os aprendizes são brancos/não-indígenas, em sua maioria.

Uma “inversão” que, de algum modo, faz lembrar as divertidas palavras do poeta Oswald de Andrade: “Quando o português chegou/Debaixo de uma bruta chuva/ Vestiu o índio/Que pena!/Fosse uma manhã de sol/O índio tinha despido o português.”(*)

A combativa e inovadora entidade escolar se chama CISA (Cultura Indígena em Sala de Aula), realizou 15 mini-cursos completos neste primeiro ano de funcionamento e deu certificados a 214 estudantes. “Tivemos alunos (maior parte não-indígenas) de diversos estados do Brasil, e também dos EUA e Holanda”, informa Felipe Bernardo Messias, morador de Criciuma/SC, indigenista e graduando em Antropologia na Uniasselvi. Felipe foi o idealizador da CISA, junto com um grupo de apoiadores índios.

Cada curso, no formato on-line, teve 4 horas de duração e iniciou sempre às 19 horas.  

OS TRANSFORMADORES   

“A CISA é uma Escola Virtual especializada em Língua e Cultura Indígena para interessados em aprender a respeito dos Povos Originários do Brasil”, explica a página dela, na internet, ao responder a própria pergunta “Quem Somos”.

“Nossa missão é fortalecer educadores e educandos para transformar a Educação brasileira e possibilitar que os alunos desenvolvam o máximo do seu potencial na diversidade étnica e racial brasileira, conforme exige a Lei nº 11.645 de 2008, que inclui no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Indígena”.

“(Nossos) cursos (servem) para capacitação e aperfeiçoamento de estudantes, professores, pesquisadores e demais interessados em agregar o universo dos Povos Originários como História, Mitos e Ritos, Terras e Territórios, Pensamento, Matemáticas, Artes, Tecnologias de Preservação do Meio Ambiente, entre outros.”

OS MESTRES

As aulas/cursos da CISA foram ministradas por:

Joziléia Daniza Kaingang (antropóloga formada na UFSC)

- Ingrid Sateré Mawé (bióloga formada pela UFAM, professora da rede pública em SC, diretora de conteúdo indígena da revista Inspiração Teen)

- Júlio Queiroz (vice-pajé Rawanã Kariri-Xocó)

- Eunice Kerexu Yxapyry (liderança guarani em SC, coordenadora da Comissão Yvyrupá, coordenadora da APIB/Associação Povos Indígenas do Brasil, formada em Licenciatura Indígena e em Gestão Ambiental na UFSC)

- Nuno Nunes (filósofo, indigenista, doutorando em Planejamento Territorial na Universidade Estadual de SC/UDESC)

- Cris Tupan (assistente social formado na Universidade Est. de Londrina, PR/ UEL, doutorando em Serviço Social na UFSC)

- Adriana Fernandes Carajá (pajé dos Kariri-Sapuyá da BA, enfermeira formada na Universidade de Alfenas/MG, mestrada em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência na UFMG, doutoranda em Antropologia na UFMG)

- Idiane Cruz da Silva (liderança e ativista do povo Kariri-Xocó, professora da Escola Indígena em Porto Real do Colégio/Alagoas, educadora sócio-cultural)

- Cristina Roseno (pós-graduada em Psicanálise no IBRA em SP, comunicadora da TV Tamuya/SP, pesquisadora do Núcleo de Estudos Autônomos sobre Racionalidades Médicas dos Povos Originários/NEARMEPOT)

- Isaías Marculino Guarapirá Potiguara (pajé potiguara da Paraíba/pai juremeiro e benzedor, graduado em Pedagogia, mestrando em Ciências das Religiões, professor de Língua Tupi no Ensino Básico)

- Yago Queiroz (indígena pertencente ao povo Fulni-ô e Kaingang, jornalista formado na Universidade Est.de Londrina UEL/PR, fotógrafo, videomaker, poeta, assessor de comunicação da ARPINSUL)

 

(*)Poema Erro de Português, Oswald de Andrade, 1924.

Imagem: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin