Editorial semanal – Sinais de aprofundamento da crise mundial

A economia mundial não saiu da crise cíclica, dentro da crise geral do imperialismo, na qual mergulhou no segundo trimestre de 2019, e já se desenha outra bolha. A única potência imperialista que vinha na contramão da recessão no período 2019-2021, a China, agora está às bordas de sua própria crise geral de superprodução relativa, especificamente no setor imobiliário, que é o principal ramo de sua economia, respondendo por 30% de seu PIB e concentrando, portanto, uma grande massa de seu proletariado; sem contar os ramos subsidiários que se sustentam e operam em torno dessa atividade.

A corporação chinesa Evergrande, segunda maior do país, contraiu e acumulou uma dívida de 300 bilhões de dólares para impulsionar a produção no ramo imobiliário. Tanto os capitais fictícios (economia especulativa) afugentaram-se, decaindo o preço geral das ações no mercado financeiro (desvalorização do capital), como também os preços dos terrenos na China decaíram (17,5%, em agosto de 2021), produzindo o mesmo efeito. Já são 65 milhões de residências ofertadas no mercado e ociosas na China, equivalente ao número total de residências na França. A superprodução já está dada, apenas faltando o seu efetivo colapso.

Tal é a lei fundamental do capitalismo, elevada à milésima potência na sua fase monopolista e última (imperialismo): a produtividade, elevada sem precedentes pela burguesia monopolista com fins de baratear a produção e alcançar a taxa máxima de lucro possível, extrapola a capacidade de consumo social. Os baixos salários – apenas o mínimo necessário – pago ao proletariado e às massas trabalhadoras, somado a um crescimento irrefreável da produção global, tornam impossível que tais mercadorias – e, portanto, que os capitais invertidos em todos os ramos da economia e na especulação, inclusive o capital fictício – encontrem mercados. Ou melhor: há consumidores em potencial, pessoas desejosas e necessitadas de mercadorias, mas estes não podem comprá-las segundo necessitam, na mesma proporção em que são produzidas. O resultado é a crise geral cíclica de superprodução relativa, que, vejam, só pode ser relativamente debelada com o crescimento ainda maior da pauperização das massas e da produtividade, combinação cujo desborde será uma crise potencialmente ainda mais catastrófica, uma pior à outra.

Quando estourar a inadimplência e a demissão em massa neste setor da economia chinesa – visto que não se pode continuar produzindo para um mercado saturado – se tornará ainda mais restrito o mercado consumidor, visto que tais desempregados serão, na prática, excluídos do mesmo; assim como a inadimplência produzirá a derrubada de outros setores da economia, num efeito dominó, que agravará a restrição do mercado, afetando decisivamente o mercado mundial. Como diz Marx, é essa a única dialética – a dialética da crise geral do capital – que os capitalistas podem entender quando estourar as crises, pois entra em suas cabeças a marteladas!

É claro que a explosão de uma crise de superprodução na China teria impacto econômico em todo o sistema imperialista mundial; os impactos sociais e políticos são ainda mais graves, com tendência a maior desenvolvimento da situação revolucionária, ainda que de modo desigual mundo afora, com números crescentes de levantamentos espontâneos e, onde existem fatores subjetivos minimamente estabelecidos, a saltos no desenvolvimento desta mesma situação revolucionária. Agravar-se-á – como já se agrava – o saqueio das nações oprimidas, com a retirada de direitos trabalhistas em todo o globo, assim como, necessariamente, a retirada dos direitos democráticos fundamentais, em marcha incrementando a reacionarização e o fascismo, na busca desapiedada pelo lucro máximo. Assim como agudizar-se-á no campo imperialista a pugna e o conluio entre as superpotências, entre estas e as potências e entre as potências por controle de mercados cativos para os capitais e mercadorias de suas corporações e para pilhar força de trabalho e matérias-primas a custos mínimos, que produzem e/ou agravam crises internas nas semicolônias, instabilidades e, no limite, invasões militares imperialistas para subverter o regime indesejado. As crises graves do Cazaquistão e das movimentações de tropas no Leste europeu, tudo é parte dessa necessária pugna.

É dentro desse palco, recordemos, que o Brasil, como semicolônia integrada ao sistema de dominação imperialista, principalmente ianque, está posicionado. Nesse contexto ocorre a profunda crise do seu capitalismo burocrático – a maior de sua história, que já se arrasta por sete anos – adjunta à maior crise de legitimidade do aparelho de Estado dos últimos 40 anos, em cujo cenário atua firme, disciplinado e crescente um promissor movimento de massas revolucionárias.

Agora, em meio a toda essa situação, é preciso ganhar mais e mais massas para as táticas revolucionárias, convencê-las de que é preciso lançar às cucuias as eleições reacionárias e seu embate de marionetes; demonstrar a elas que, seja qual seja o resultado, as eleições só servirão para chancelar o programa da ofensiva contrarrevolucionária preventiva por conjurar o perigo de Revolução feito de repressão selvagem às massas em luta e ao movimento revolucionário. Programa este cujos pilares fundamentais já estão traçados e publicizados pelo Alto Comando das Forças Armadas desde 2015 e assumidos relativamente de antemão por aqueles com reais chances de vencê-las. É preciso ser firme em evidenciar que a vitória do oportunismo só mistificará o gravíssimo perigo no qual se encontra a pátria, pois, como nos recorda Lenin, “a democracia pequeno-burguesa é incapaz de conservar o poder, servindo sempre para encobrir a ditadura da burguesia, apenas como degrau para o poder absoluto da burguesia”.

Assim, tem grande valor a recomendação do Grande Timoneiro: Abandonai as ilusões e preparai-vos para o combate!

Ouça já o Editorial Semanal de 12 de janeiro de 2022:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin