Camponeses da Área Ponte Aliança Operário Camponesa conquistam o título da terra

No dia 20 de dezembro, camponeses da área Ponte Aliança Operário Camponesa (Para Terra I) em Varzelândia, Norte de Minas, conquistaram o título da terra. Durante vinte anos as famílias estiveram endividadas, só concretizando a compra das terras no ano de 2019. Os camponeses adquiriram uma dívida coletiva que foi se tornando praticamente impagável. Mesmo sem conseguirem quitar a dívida, as famílias não se deixaram abater pela pressão do banco e do velho Estado e das dificuldades para realizarem investimentos em suas propriedades, se organizaram para produzir, vivendo do fruto do seu trabalho e suor, produzindo inclusive para abastecer parte do mercado local de Varzelândia e região. Nesse período, muitos foram os desafios enfrentados para permanecer nas terras da antiga Fazenda Espírito Santo, exercer a sua posse, produzir e hoje conquistar o título de propriedade.

Quando pensaram que a dívida com o banco estava quitada e que teriam seu tão sonhado título da terra, uma pilha de burocracias e exigências ambientais que envolvia altas cifras se apresentou, como por exemplo, o georreferenciamento o que levou a atrasarem mais uma vez seus planos. Diante disso, os camponeses contrataram uma empresa privada que realizou todo o serviço, parcelando o pagamento, emitindo os laudos necessários para que a Associação Camponesa pudesse então realizar as entregas dos títulos, tudo por conta das próprias famílias. 

Camponeses celebram conquista de título na Área Ponte Aliança Operário Camponesa (Para Terra I). Foto: Comitê Velho Chico

Camponeses celebram conquista de título na Área Ponte Aliança Operário Camponesa (Para Terra I). Foto: Comitê Velho Chico

Faixas com dizeres "Titulação das terras já para todos os camponeses e quilombolas!” são estendidas em celebração da conquista dos camponeses. Foto: Comitê Velho Chico

As famílias da Área da ponte Aliança Operário Camponesa, desde a constituição da comunidade em 1998, já possuíam certa “tradição” em realizar trabalhos coletivos e uma forte solidariedade no enfrentamento dos problemas cotidianos. Mas com certeza foi a organização da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) que marcou definitivamente a comunidade com a edificação da ponte da Aliança Operário-Camponesa sobre o Rio Arapuim em 2006, onde as famílias, juntamente com as várias comunidades quilombolas, do Sindicato Marreta e da Liga Operária, construíram de forma coletiva e independente de qualquer órgão do Estado, tudo com trabalho coletivo e voluntário a estrutura em apenas cinco meses. Desde então, outras iniciativas surgiram como resultado do entusiasmo da comunidade que passou a perceber a força de sua organização. Diversas formas de trabalho coletivo foram desenvolvidas, baseadas no companheirismo e solidariedade, como as produções coletivas de milho, feijão, abóbora, alface e pimenta.

O recebimento do título é mais um marco na história da comunidade, é uma vitória econômica e política. Para celebrar, as famílias da área realizaram um ato para entrega dos títulos e confraternização que contou com a presença de 300 pessoas.  Estiveram presentes representantes de diversas comunidades da região, a Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia, Marreta/Liga Operária, Movimento Feminino Popular (MFP), Comitê de apoio a luta pela terra e alguns órgãos, como Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater–MG), Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural (CMDRS), Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Varzelândia e a prefeita da cidade, que sempre apoiou as famílias.

O início da celebração foi marcado por homenagens a todos os companheiros tombados na luta pela terra, especialmente ao companheiro Cleomar Rodrigues de Almeida, assassinado em 2014 a mando do latifúndio, ao companheiro José Fonseca, o querido Pelé e vários outros companheiros da área que lutaram pela conquista de um pedaço de terra. Ao relembrar destes camponeses, muitos não seguraram as emoções, e isto pôde ser visto nos olhos das dezenas de pessoas presentes.

Nas intervenções, um representante da LCP falou da situação política do país e que em meio às diversas propagandas sobre a entrega de títulos, muitas áreas já foram legalizadas, mas não receberam o título da terra e que este tem sido entregue aos latifundiários grileiros de terra.  O militante também destacou  que o governo do fascista Bolsonaro e também o governador Romeu Zema, prometeram a Titulação das Terras que iria beneficiar pequenos e médios proprietários, inclusive no Norte de Minas, mas até agora só há propagandas e burocracia.

O representante ressaltou a luta contra a corporativização das massas na região, a luta contra o oportunismo que fomentam as disputas entre os pobres e remediados do campo, derivando em divisões entre o povo que só servem aos seus verdadeiros inimigos de classe, que são os latifundiários.

Um representante Liga Operária denunciou operação de guerra promovida pela Polícia Militar de Rondônia, do governador Marcos Rocha e seu secretário de segurança pública, José Hélio Cysneiros Pachá, e da Força Nacional de Jair Bolsonaro, com a tentativa de despejo ilegal dos camponeses das Áreas Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira. As diversas intervenções, lembraram das conquistas da área e que foi através da união, luta e organização, que hoje os camponeses conquistaram os títulos das terras.

Faixas com a consigna “Titulação das terras já para todos os camponeses e quilombolas!”, “Viva Revolução Agrária! Morte ao latifúndio!” e “Viva a Aliança Operário Camponesa!” enfeitavam a celebração. Os camponeses encerraram a celebração com fotos e vídeos históricos da comunidade e um grande jantar para todos os presentes.

Faixas com dizeres "Viva a Revolução Agrária! Morte ao latifúndio!” são estendidas em celebração da conquista dos camponeses. Foto: Comitê Velho Chico

Cerca de 300 pessoas estiveram presentes na celebração da conquista dos títulos da terra no Norte de Minas. Foto: Comitê Velho Chico

Cerca de 300 pessoas estiveram presentes na celebração da conquista dos títulos da terra no Norte de Minas. Foto: Comitê Velho Chico

Cerca de 300 pessoas participaram da janta que ocorreu no encerramento da celebração da conquista dos títulos da terra no Norte de Minas. Foto: Comitê Velho Chico

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin