Editorial semanal – Escravidão contemporânea

A morte do jovem congolês Moïse Kabagambe, de apenas 24 anos, tem fortes indícios de crime por motivações de classe e com atuação de milícias. No Rio de Janeiro, é comum que onde convirjam abundante circulação de dinheiro, turismo e comércio operem tais forças, se não para extorquir diretamente os comerciantes, para oferecê-los “segurança”. Ato contínuo, a “segurança” se estende também aos funcionários submetidos a relações de trabalho estranhas à norma.

Moïse, segundo sua família, foi cobrar duas diárias que não recebera, no valor de R$ 200. Ele não era contratado e tampouco ganhava por mês, mas por dia, como garçom de quiosques. É quase regra que em tais diárias a jornada de trabalho extrapola 12 horas. Atrasos nos pagamentos ocorrem, como mostra o caso de Moïse, e logo se transformam em trabalho gratuito.

Parentes de Moïse, após as primeiras declarações à imprensa nas quais revelaram o real motivo da ida dele ao quiosque na noite de seu martírio, foram por três vezes abordados por policiais militares em tom intimidatório. O dono do quiosque para o qual o congolês trabalhou é cabo da Polícia Militar.

Como se vê, tudo indica que operam esses dois elementos no caso de Moïse: o que chamam de “escravidão moderna” e o uso da força para mantê-la. A escravidão dos tempos coloniais e regenciais terminou formalmente, mas as bases sobre as quais se assentam as relações de trabalho aviltantes não desapareceram. São elas, o latifúndio ainda intocado, responsável histórico por alimentar o comércio de africanos escravizados na América, e a dominação do imperialismo, herdeiro das riquezas obtidas através desse comércio pelas potências colonialistas. A prevalência dessas bases no Brasil, em pleno 2022, impede, no plano econômico, o pleno desenvolvimento da nação e a elevação das condições de vida das massas trabalhadoras e, no plano ideológico e cultural, a hegemonia do racismo – sendo as transgressões contra os pretos como algo tolerável, devido à herança material e cultural do latifúndio escravagista-feudal nunca destruída – e da cultura feudal, em geral, no trato dos empregadores com os trabalhadores.

Moïse, sendo um estrangeiro africano, sofreu com particular crueldade essa realidade, agravada, portanto. Basta ver suas relações de trabalho: jornada aviltante, trabalho por diária e remuneração não paga, que ao serem questionadas levou-o à morte.

É, por isso, mistificador não falar de toda a base econômica do caso, colocando genericamente como crime racista. Claro que ali opera o racismo, mas há algo além. Falar apenas disso é apagar o caráter de classe e nublar a visão das massas para os reais responsáveis pela reprodução da desgraça cotidiana dos trabalhadores, principalmente os pretos, maioria do proletariado brasileiro. Não à toa, assim noticiam habilmente os monopólios de imprensa, com o concurso do oportunismo eleitoreiro. Ou agora a Rede Globo agrega o campo revolucionário de combate ao sistema capitalista, como dizia um certo filósofo de extrema-direita?

É preciso sair do campo subjetivo dos costumes, onde sorrateiramente a grande burguesia manipula as massas populares e a conduz frequentemente ao sectarismo identitário, e ir para o campo objetivo da luta de classes, onde se pode derrotar tanto as classes dominantes, como sua ideologia putrefata. Do contrário, outros Moïses serão vitimados pelo regime burocrático-latifundiário imperante, até hoje, em nosso país.

Ouça já o Editorial Semanal de 08 de fevereiro de 2022:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin