Moçambique: Operários em greve se rebelam e queimam edifícios, viaturas e posto policial

Operários da empresa açucareira de Xinavane se rebelaram no dia 23 de fevereiro contra sua situação precária de emprego. O monopólio açucareiro em Moçambique, controlado pela sul-africana Tongaat Hulett, emprega 5 mil trabalhadores e era alvo de protestos desde o mês de janeiro.

Os trabalhadores, em manifestação junto à comunidade local, atacaram a fábrica e a sede da empresa. As massas incendiaram casas de gerentes da fábrica e incendiaram um posto policial do distrito de Xinavane, assim como em cinco viaturas, na capital do país, Maputo. Um policial ficou ferido.

Os trabalhadores da empresa estão em greve contra salários atrasados, contra os seus baixos salários, suas péssimas condições de trabalho e contra a contratação de diversos setores de trabalhadores, principalmente de trabalhadores estrangeiros, sob condições piores ainda e recebendo piores salários. A empresa Tongaat Hullet, uma das maiores do país em produção de açúcar, é de propriedade sul-africana, e recebe investimento direto do velho Estado moçambicano e também de países estrangeiros.

No dia 23/02 ocorreu uma grande manifestação realizada pelos operários e, diante da detenção de mais de 10 trabalhadores, entre homens e mulheres, pelas forças de repressão moçambicanas, os grevistas e o povo da localidade fecharam vias, queimaram o posto policial responsável pelas prisões, e as casas dos gerentes da fábrica. Um manifestante segurava um cartaz escrito: "Queremos nossos irmãos de volta!", exigindo a soltura dos trabalhadores.

Ao todo, foram nove edifícios (entre casas e construções de propriedade da empresa) queimados, assim como cinco viaturas e um posto policial. Os edifícios também foram pichados.

Operários moçambicanos durante manifestação no dia 23 de fevereiro. Foto: Reprodução.

Viaturas queimadas em Xinavane. Foto: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin