MG: Policial à paisana atira em manifestantes em Esmeraldas

Policial militar dispara contra moradores durante manifestação contra a falta de água. Foto: Reprodução

Um policial militar à paisana atirou em manifestantes que protestavam contra a falta de abastecimento de água no município de Esmeraldas, na região metropolitana de Minas Gerais, no dia 1 de fevereiro.

O militar atirou em direção aos manifestantes que fechavam a rodovia MG-432. Estilhaços do projétil atingiram um trabalhador após ricochetear no asfalto. Por conta dos ferimentos, o homem teve que ser levado para o hospital.

Os trabalhadores se revoltaram com tamanha covardia e enfrentaram o militar, que a todo momento apontava a arma para os manifestantes. A situação só se acalmou momentaneamente com a chegada da Polícia Militar (PM), os policiais protegeram o militar e impediram que ele fosse agredido pelos trabalhadores revoltados e o levaram para a Delegacia de Plantão de Ribeirão das Neves.

Moradores lutam contra falta de água

Moradores bloquearam rodovia após mais de cinco dias sem água. Foto; Reprodução

Os moradores do bairro Floresta Encantada, em Esmeraldas, foram às ruas protestar pois já estão há cinco dias sem água em suas residências. Com isso, cerca de 60 moradores decidiram fechar a rodovia com galhos de árvores, troncos, pneus e até roupas sujas. Os objetos foram queimados pelos trabalhadores, que montaram uma barricada. Os manifestantes também denunciaram que a energia elétrica foi cortada na região.

De acordo com os moradores, problemas com o desabastecimento de água no bairro acontecem há pelo menos dez anos, desde que a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) assumiu o serviço.

"A Copasa não atende ninguém. Tentamos falar com eles e nada. Não vem nenhum representante para nos dar satisfação. A única coisa que falaram é que a caixa d'água do bairro será abastecida, mas isso não resolve nosso problema. O que a gente quer é água na torneira de casa!", relatou o morador Ralpho Novaes, em entrevista ao monopólio de imprensa, G1.

Militar se escondeu atrás de outros policiais com medo da revolta das massas após a ação covarde. Foto: Reprodução




NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin