Petrobrás anuncia novo aumento de combustíveis enquanto caminhoneiros realizam protesto na Bahia

Caminhoneiras e entregadores por aplicativos fecham rodovia na Bahia em protesto contra sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis. Foto: Reprodução

A Petrobrás anunciou, no dia 10 de março, o aumento nos preços dos combustíveis e do gás de cozinha ou gás liquefeito de petróleo (GLP) para as refinarias a partir do dia 11/03. Com isso, a gasolina passará de R$ 3,25 para R$ 3,86 por litro e o diesel vai de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro, aumentos de 18,8% e de 24,9%, respectivamente. Já o GLP teve um aumento de 16,1%, e passará de R$ 3,86 para R$ 4,48 por kg, equivalente a R$ 58,21 por 13kg (botijão). 

O aumento acontece depois de apenas dois meses de preços congelados nas refinarias. Ainda não se sabe os valores que serão cobrados nos postos de combustíveis e pelas distribuidoras. Neste caso, depende dos revendedores e distribuidores que tratarão de assegurar os seus lucros. Porém é certo que os preços vão aumentar para o consumidor, que no final é quem paga a conta de toda crise.

O cenário é grave e provoca temor nas classes dominantes e no governo, uma vez que tem ocorrido protestos quase diários contra os sucessivos aumentos nos preços de combustíveis em nosso País. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio da gasolina ficou em R$ 6,577 e o do diesel em R$ 5,603 na primeira semana do mês de março. Já o botijão de 13kg do GLP está custando atualmente em média R$ 102,64.

Quem se beneficia?

A Petrobrás adota desde 2016 uma política de Preço de Paridade de Importação (PPI) que se pauta pela cotação internacional do barril de petróleo que, por sua vez, é comercializado em dólar. Por exemplo, o barril de petróleo no mercado internacional ultrapassou a marca de 130 dólares (R$ 656, na cotação de 10/03) nos últimos dias, com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Toda essa política serve para favorecer os acionistas da empresa e garantir os lucros destes: quando o preço internacional sobe, os acionistas aumentam seus lucros, uma vez que suas ações passam a valer mais. Em contrapartida, esse sistema de preços faz com que o consumidor interno pague um preço cada vez mais alto pelos combustíveis.

Caminhoneiros e entregadores protestam na Bahia

Caminhoneiros e entregadores por aplicativos fizeram um protesto, no dia 8 de março, contra o aumento no preço dos combustíveis no estado da Bahia. Eles fecharam com pneus incendiados o acesso ao anel rodoviário de contorno, em Feira de Santana, cidade a 100 quilômetros de Salvador, capital da Bahia.

Os trabalhadores protestam contra os sucessivos aumentos dos combustíveis no estado: já foram cinco ao longo do ano, com três somente no mês de janeiro. O preço do óleo diesel teve um aumento de 23,4% na Bahia. Em Feira de Santana, o litro do diesel custa em média R$ 6,99. Já em Salvador o combustível chega a R$ 7,29 o litro.

Os aumentos sucessivos acontecem após a privatização da refinaria Landulpho Alves, em novembro de 2021. A empresa privada Acelen que administra a refinaria renomeada como Refinaria Mataripe, resolveu reajustar os valores dos combustíveis para aumentar seus lucros. A Acelen pertence ao grupo monopolista Mubadala Capital, dos Emirados Árabes Unidos.

A alta dos combustíveis tem impacto significativo no orçamento dos caminhoneiros e outros profissionais que trabalham na área do transporte. Porém, esses sucessivos aumentos impactam também outras diversas áreas, pois essas dependem da logística rodoviária para serem abastecidas, aumentando assim a inflação nos preços de outros produtos e serviços como alimentos, roupas, energia elétrica, etc.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin