Argentina: Bombas, pedras e barricadas no Congresso em manifestação contra o acordo com o FMI

Massas se rebelam em frente ao congresso contra acordo com o FMI. Foto: Lucía Merle

Milhares de manifestantes argentinos, no dia 10 de março, atiraram pedras contra o Congresso na capital Buenos Aires, construíram barricadas em chamas e resistiram à repressão policial durante um protesto contra um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que estava sendo votado naquele mesmo momento. Bandeiras do Estados Unidos (USA) foram queimadas e pichações escritas Não ao FMI! foram feitas na fachada do congresso.

Os escritórios da vice-presidente Cristina Kirchner no Congresso foram alvejados com pedras enquanto ela se encontrava no local.

Bandeira do USA é queimada em frente ao Congresso. Foto: Reprodução

As massas se rebelaram contra uma renegociação da dívida argentina no valor de 45 bilhões de dólares com o FMI (cerca de R$ 225 bilhões). O povo argentino exige que a dívida seja cancelada e que não sejam feitos acordos com o FMI, já que quem pagará por isso será o povo, enquanto este passa fome e não viu melhora alguma da sua situação com esses 45 bilhões de dólares.

Durante o protesto, foram atiradas pedras e tinta vermelha contra o congresso. Manifestantes resistiram à repressão policial que os atacavam com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Contra a repressão policial, um coquetel molotov foi lançado pelos manifestantes.

O protesto foi reprimido na frente do Congresso, porém os manifestantes seguiram resistindo pelas ruas de Buenos Aires, montando barricadas. 

Em entrevista com a Euronews, um manifestante de cerca de 50 anos com pedras nas mãos declarou: “Já estamos exaustos de todos os oligarcas e daqueles que vêm e não fazem nada. Vão e votam [pelo acordo], tudo ao presidente, à Cristina, ao seu filho e todos votam. Mas de nós ninguém se lembra.” O manifestante foi, mais tarde, algemado por policiais e colocado contra o chão e detido.

Manifestante é algemado, colocado contra o chão e detido pela polícia. Foto: Infobae

O confronto durou horas. Um manifestantes foi preso e três manifestantes e cinco policiais ficaram feridos.

Argentina e o FMI

Maquete de papelão do FMI com a bandeira do USA queima em frente ao congresso. Foto: Reprodução

O longo histórico de empréstimos que a Argentina tem com o FMI mostra que, longe de beneficiar a Nação ou o povo argentinos, eles significaram o aprofundamento da dominação imperialista e do capitalismo burocrático no país. As massas sempre tiveram seus direitos e necessidades mais básicas pisoteados, enquanto viam as riquezas nacionais serem saqueadas pelos imperialistas.

Tais empréstimos se iniciaram durante o governo do general Pedro Eugenio Aramburu, em 1956, recebendo um empréstimo no total de 75 milhões de dólares (cerca de R$ 400 milhões) logo após firmar uma série de acordos militares com o USA (superpotência hegemônica única, o Estados Unidos), como o funcionamento permanente de uma missão militar ianque.

Todos os governos de turnos argentinos aprofundaram as medidas do FMI no país, sempre ligados diretamente às necessidades do imperialismo ianque e com as maquinações do Exército argentino na política nacional.

Em 1958, o presidente Arturo Frondizi obteve novos empréstimos com o FMI, com pressão dos militares. As “medidas de austeridade” impostas pelo FMI levaram o país a uma profunda instabilidade social que desembocou com o golpe de estado das Forças Armadas em 1962.

José Maria Guido, que o sucedeu, continuou a aplicar os ditames do FMI desindustrializando o país. No período, o velho Estado destacou-se também na transferência de renda ao latifúndio através do crédito financeiro, tudo isso com apoio dos grandes banqueiros. Isso fez ruir as pequenas e médias empresas argentinas que não conseguiam ter acesso aos financiamentos bancários.

Em 1976, ocorreu mais um golpe das Forças Armadas, dessa vez durante o governo de Isabelita Perón. Em meio à sangrenta repressão contra as massas, a junta militar aplicou outro programa que serve aos interesses do FMI e ao imperialismo ianque. Mais uma vez são aprofundadas a desindustrialização da Argentina, o congelamento dos salários, extinção dos subsídios, redução dos gastos públicos, privatização das empresas estatais, liberação do crédito ao latifúndio, bem como a entrada irrefreada de produtos estrangeiros no país através da eliminação das tarifas alfandegárias e a  valorização das moedas estrangeiras, fazendo ruir completamente as empresas nacionais.  Demonstrando rápidos resultados ao imperialismo ianque, o embaixador  do USA, Robert Hill, propôs um mês após o golpe militar o apoio do Eximbank e o manejo da dívida externa argentina.

Manobras do tipo, envolvendo diretamente o FMI e o imperialismo ianque, seguiram e seguem a acontecer até hoje. Em dados de 2020, a dívida externa da Argentina representa 70% do seu Produto Interno Bruto (PIB). Em 2002, a dívida externa da Argentina chegou a representar 152,3% do seu PIB.

Atualmente, a dívida pública argentina totaliza 324 bilhões de dólares, ou seja, 1.640 trilhões de reais.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin