MS: Deflagrada greve da educação em Dourados

Trabalhadores da educação percorrem às ruas de Dourados durante greve da categoria. Foto:Simted

Os profissionais da rede municipal de ensino de Dourados, segunda maior cidade do estado de Mato Grosso do Sul, entraram em greve no dia 14 de março. Os trabalhadores da educação exigem o pagamento da reposição inflacionária de 10,06% para o setor administrativo e também que seja cumprido o novo piso salarial do magistério que  prevê um aumento de 33,24% nos salários dos servidores da educação. 

Em repúdio ao reacionário prefeito Alan Guedes (PP), os trabalhadores já haviam feito uma paralisação parcial em 10/03, quando realizaram ato no Centro Administrativo Municipal (CAM), na sede da prefeitura da cidade. Centenas de professores se reuniram no CAM, com bandeiras e faixas exigindo seus direitos.

Trabalhadores fazem assembleia e decidem pela greve. Foto: Simted

Já como parte da atual greve, os trabalhadores realizaram um ato no dia 14 de março em que compareceram professores, pais e alunos do ensino municipal, além de estudantes e professores universitários. O ato foi iniciado às 7h30 na praça Antônio João, região central da cidade. As movimentações do Sindicato Municipal de Trabalhadores em Educação (Simted), somaram-se às falas da Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) e da Alvorada do Povo, organização democrático-revolucionária de estudantes. As organizações demonstraram sua solidariedade com a categoria, expressando seu apoio e saudando a combatividade dos professores e servidores da Educação.

Trabalhadores se concentram na praça Antônio João. Foto: Simted

A mobilização foi vitoriosa, aglutinando um numeroso contingente de massas trabalhadoras. Ouviram-se, no ato, palavras de ordem como: Reajuste já!, Respeite a educação!, A greve é nossa, mas a culpa é do prefeito, bem como coros de Pelo direito de educar e aprender!, O reajuste nós queremos ter!, É greve, greve da educação! Nem sucateamento nem precarização! e É greve, greve, greve geral! Greve geral de resistência nacional!. O ânimo e a combatividade das massas prenunciam um ano de muitas lutas na cidade e região.

Do lado da administração municipal, houve criminalização e desinformação. O Instagram oficial da prefeitura de Dourados publicou um post criminalizando a luta dos profissionais da Educação em que se lê: “Justiça considera greve ilegal e proíbe paralisação de professores em Dourados”. O posicionamento da prefeitura reflete o do reacionário judiciário que, por meio do desembargador Sérgio Fernando Martins, decidiu suspender a paralisação, em despacho assinado na tarde do dia 12/03, sob pena de multa diária de R$ 50 mil ao Simted.

Profissionais da educação fazem protesto em frente à prefeitura de Dourados, no Mato Grosso do Sul.

A prefeitura ainda adotou a tática de colocar povo contra povo, ao notificar aos pais de alunos que aulas aconteceriam normalmente e ordenou o transporte da zona rural que circulassem para buscar as crianças. Anteriormente, a categoria já tinha iniciado conversas para a negociação salarial, que não resultaram em muitos resultados. O Simted havia repudiado a censura do governo municipal em reuniões nos dias 17/02 e  07/03, em que representantes do sindicato foram impedidos de falar ou participar dos encontros com a prefeitura. A luta, não obstante, segue firme: dos 45 estabelecimentos municipais de ensino, só menos de 10 escolas não tiveram adesão de 100% de seus funcionários e, nos casos em que não houve tal consenso, o número de contrários foi muito baixo. A maioria das instituições de ensino municipais seguem, portanto, paralisadas.

Ativistas da ExNEPe estiveram presentes no ato prestando apoio à luta dos trabalhadores. Foto: Banco de Dados AND

Ativista exibe o jornal Estudantes do Povo, órgão de imprensa do movimento estudantil revolucionário. Foto: Banco de Dados AND

Ativista exibe o jornal Estudantes do Povo, órgão de imprensa do movimento estudantil revolucionário. Foto: Banco de Dados AND

Ativistas do movimento de estudantil, Alvorada do Povo, também estiveram presentes no ato. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin