SP: Pistoleiros atacam acampamento camponês no Pontal

Camponeses erguem faixa com a consigna: "Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossos sonhos". Foto: FNL

Milhares de camponeses resistem às ameaças de pistoleiros a mando de latifundiários na região do Pontal de Paranapanema. No dia 21 de março, quatro homens que se identificaram como policiais alegaram que estavam “à serviço” da empresa UMOE Bioenergy e invadiram, ameaçaram e atiraram com arma de fogo contra famílias que vivem no acampamento no município de Sandovalina, localizado no estado de São Paulo. 

De acordo com os relatos dos camponeses, a ofensiva reacionária ocorreu para garantir os interesses da UMOE Bioenergy sobre as terras públicas, as quais a mesma alega ser proprietária. A UMOE Bioenergy é uma empresa norueguesa imperialista latifundiária que detém 42 mil hectares de terras na região do pontal de Paranapanema, onde mantém monocultura de cana-de-açúcar. No entanto, os camponeses afirmam que a área onde se encontra acampamento é parte de terras públicas e está destinada à reforma agrária.

Os trabalhadores relataram aos invasores que na última ação judicial o despejo havia sido suspenso. Porém, o argumento dos camponeses não foi o suficiente para contê-los, e mesmo na presença de mulheres, crianças e idosos, os criminosos sacaram suas armas de fogo e efetuaram os disparos. Os pistoleiros, em uma tentativa de expulsão das famílias camponesas que lá vivem, agiram à revelia da lei e chegaram a ameaçar as famílias camponesas caso estas não deixassem as terras. Diante do destemor dos camponeses, a tentativa fracassou: as famílias seguem lutando. 

Segundo denúncia realizada pelo movimento Frente Nacional de Luta – Campo e Cidade (FNL) “esse atentado é parte da escalada de violência no campo contra as famílias que lutam pelo direito de morar, plantar e viver dignamente”. O movimento afirmou: “A FNL seguirá resistindo ao latifúndio e denunciando qualquer tentativa de intimidar nossas famílias acampadas”.

As ações de ocupação

Os recentes ataques contra os camponeses do portal ocorreram após a exitosa ação de ocupação denominada Carnaval vermelho dirigida pela FNL, na qual mais de 10 mil famílias foram mobilizadas para  lutar pelo direito à terra há cerca de um mês.

Desde junho de 2021, a FNL tem realizado uma série de ocupações em áreas de latifúndio localizadas na região do Pontal do Paranapanema, que historicamente é reconhecida pelos conflitos por terra. Em novembro, foi realizada a maior marcha campesina pelo direito à terra nos últimos anos no Brasil, com mais de mil camponeses marcharam percorrendo as rodovias de Sorocaba até a capital São Paulo. 

Camponeses do Pontal de Paranapanema realizam atividades de formação coordenada pela FNL. Foto: Banco de dados AND

A luta não cessa

Mesmo diante das diversas tentativas de intimidações que os camponeses enfrentam, como parte da luta pela terra no dia 8 de março, data em que se celebra o Dia Internacional da Mulher Proletária, cerca de 300 camponesas destemidas, protestaram na sede do Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) e no escritório do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), localizado no município de Presidente Prudente.

As camponesas carregavam faixas onde afirmavam que o Dia Internacional da Mulher Proletária tem que ser de luta. Uma das faixas levava a consigna “A luta sem a participação das mulheres é pela metade”. As camponesas exigiam a distribuição das terras públicas do oeste paulista e cobraram agilidade na liberação imediata do recurso financeiro para as políticas públicas de habitação, paralisados até hoje. 

Após a ocupação das mulheres no Itesp e Incra, o judiciário suspendeu três ordens de despejos em acampamentos do movimento da FNL.

Durante manifestação em 8 de março, camponesas erguem faixa com a consigna: "A luta sem a participação das mulheres é pela metade". Foto: FNL

Camponesas ocupam a sede do Itesp e Incra exigindo o legítimo direito a terra. Foto: FNL

Camponesas ocupam a sede do Itesp e Incra exigindo o legítimo direito a terra. Foto: FNL

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin