“Índio fede como bicho”: livro denuncia racismo

Foi lançado há poucas semanas, final de fevereiro, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG), o livro Desconstruindo o racismo contra os povos indígenas no Brasil. Com 170 páginas, foi o resultado de um trabalho feito por várias aldeias do país (de modo remoto/virtual) durante o isolamento da pandemia de Covid-19.

Sendo uma obra coletiva, o grupo contou também com o apoio e participação de pessoas não-indígenas (estudiosos e simpatizantes da causa dos povos originários).

Obra é gratuita

Os autores definem o livro como um pequeno manual didático voltado para o público escolar infanto-juvenil e adulto, que pode acessá-lo facilmente na internet, pois seu PDF é grátis.

A obra, organizada pela historiadora e professora da UEG Poliene Soares dos Santos Bicalho, e publicada pela editora CRV, contém 46 artigos cujos títulos são frases preconceituosas, com as quais as tribos são comumente atacadas e ofendidas. Alguns exemplos: 

_“Para que os índios querem terra, se eles não trabalham?

 _“É índio e tem TV em casa?

 _“O Brasil não vai para frente porque os índios atrapalham o desenvolvimento”.

 _ “Índio fede bicho”.  

 _ “A dança indígena é de demônios”.

 _ “Índio não gosta de trabalhar”.

 _ “Índio troca qualquer coisa por cachaça”.

 _ “Índio só quer vida mansa”.

Terra para quem não trabalha?

“A maioria das pessoas acha que a terra indígena deveria ser melhor explorada, mas não é assim que os indígenas pensam. Para eles é importante preservar, manter a vida de todos os animais e plantas, pois os seres humanos são/estão conectados ao meio ambiente. 

Ou, para mencionar Daniel Munduruku (2009), os povos nativos brasileiros não querem a terra para si no sentido capitalista, como uma forma de posse. 

A prioridade das atividades desenvolvidas (dentro das aldeias) está orientada para o bem viver e para a preservação da biodiversidade, e não para o acúmulo de bens e valores”. “Para que os índios querem terra, se eles não trabalham?(*) (**)

Fedor sem inocência 

“A confusão tomou conta dos europeus quando iniciaram a invasão da América e estabeleceram os primeiros contatos com os povos ameríndios. Não só essas terras eram ‘novas’ aos seus olhos, mas também o povo que as habitava. (...) Entre os debates ocorridos (entre os invasores) um dos mais famosos foi o de ‘decidir’ se os indígenas tinham ou não ‘alma’, se eram humanos (ou não-humanos).

Embora a decisão final tenha sido positiva, a verdade é que (...) duvidar da humanidade dos indígenas, descrevendo-os com características animais, monstruosas e irracionais, tornava-os um alvo ‘mais fácil’ de eliminar. (...) por isso a aparente ‘inocência’ de um insulto, como dizer (ainda na atualidade) que o indígena ‘fede a bicho’ esconde uma série de lógicas desumanizantes que legitimam todo tipo de violência, expulsão, exploração e roubo (contra os povos indígenas)”. “Índio fede a bicho” (***)  

Autores indígenas

Entre os escritores indígenas do livro estão: 1) Sinvaldo Oliveira Saraiva Wahuka (etnia Iny Karajá, do Rio Araguaia/ GO/TO/MT), professor da educação básica; 2) Vanessa Hãtxu de Moura Karajá (etnia Iny Karajá, do Rio Araguaia/ GO/TO/MT), pedagoga e mestranda em Letras na Universidade Federal do Tocantins; 3) Kamutaja Silva Ãwa (etnia Avá-Canoeiro, do Tocantins), graduação em Pedagogia na Universidade Federal do Tocantins; 4) Cristovão Tserero Odi Tsoropre (povo A’Uwe Xavante /MT), graduado em História, com ênfase em História Latino-Americana, na Faculdade Unidas do Vale do Araguaia/MT, Tutor da Educação Indígena nas Escolas Públicas de Aragarças/GO, Conselheiro Municipal de Educação em Barra do Garças/MT, professor na aldeia São Marcos (Barra do Garças/ MT); 5) Cláudio do Nascimento Brito (povo Kanela do Araguaia/MT, pós-graduado em Direitos Humanos e Garantias Fundamentais na Universidade do Estado do MT/UNEMAT; 6) Eunice da Rocha Moraes Rodrigues (povo Tapuia do Carretão/GO) graduada em Licenciatura Intercultural em Linguagem na Universidade Federal de GO/UFG, atual graduanda em Pedagogia na UniBF/União Brasileira de Faculdades e doutoranda em Direitos Humanos na UFG.

(*) Sinvaldo Oliveira Saraiva Wahuka (etnia Iny Karajá, do Rio Araguaia/ GO/TO/MT), professor da educação básica.

(**) Fernanda Alves da Silva Oliveira (graduada em História pela UEG e Pedagogia pela Faculdade Paulista S.José, mestrada em Ciências Sociais e Humanidades pela UEG, professora municipal em Nova Mutum/MT).  

(***) Carlos Benitez Trinidad (espanhol, historiador pela Universidade de Cádiz/Espanha, doutorado pela Universidade Federal da Bahia/UFBA, pós- doutorado pela Universidade Nova de Lisboa/Portugal e Universidade de Santiago de Compostela/Espanha, onde atualmente é pesquisador).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin