RJ: Protestos eclodem e ônibus são incendiados após PM assassinar jovem em Cordovil

Ônibus forma incendiados por manifestantes revoltados com o brutal assassinado. Foto: Reginaldo Pimenta

Na manhã do dia 5 de abril, dois ônibus foram incendiados durante protestos contra o falecimento do jovem Cauã da Silva dos Santos, de 17 anos, baleado pela Polícia Militar (PM) na noite do dia 04/04, na comunidade Dourado, em Cordovil, Zona Norte do Rio.

O primeiro ato ocorreu nas proximidades da Rua Bulhões Marcial, no mesmo bairro onde Cauã foi assassinado. Os manifestantes atearam fogo em três ônibus e pelo menos dois deles ficaram totalmente destruídos.

Mais tarde, em novo protesto, a Estrada de Quitungo foi fechada. A PM foi acionada para o local e tentou reprimir a justa revolta do povo com spray de pimenta e disparos de bala de borracha. Os manifestantes, sem se deixar intimidar, responderam com pedradas. 

O jovem morreu após ser atingido no peito por um projétil de fuzil e ter seu corpo lançado em um valão por policiais militares. A vítima estava saindo de um evento do projeto social Centro Esportivo Resgate (CER), promovido pela Associação de Moradores.

Moradores relataram que a PM chegou ao local atirando e que não havia confronto no momento do crime. “Nós estávamos indo para casa quando os caras já vieram atirando em geral. Nós gritamos no beco: é morador! É morador! Eles largando tiro. Um morador parou no nosso lado e chamou para casa dele. Quando nós vimos, eles, os ‘cana’ largaram um tiro no peito dele e jogaram ele dentro do riacho. Sangue-frio. Nós gritando que é morador. Gritando, todo mundo gritando”, afirmou uma testemunha em entrevista ao monopólio de imprensa G1.

Em vídeos que circulam nas redes sociais é possível ver a população retirando Cauã do valão. Ele foi encaminhado ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu.

O jovem Cauã era lutador de Jiu-JItsu. O rapaz se tornou mais um adolescente morador de favela a ter sua vida ceifada injustamente por militares a serviço do velho Estado. Foto: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin