SC: Pistoleiros e militares atacam indígenas que resistem à despejo arbitrário

No dia 22 de março, um grupo de pistoleiros e policiais militares invadiram e destruíram moradias, casa de reza e instrumentos de trabalho da aldeia Ka’aguy Mirim Porã, localizada na Território Indígena (TI) Tarumã, no município de Araquari, no litoral norte de Santa Catarina (SC). A truculenta ação de despejo aconteceu sob ordem judicial infundada.

Um dos homens que usava farda militar durante a invasão à aldeia alegou ser integrante do exército. Segundo denúncias do povo Guarani, em nenhum momento os invasores e policiais apresentaram à comunidade o mandado de reintegração de posse que afirmaram estar cumprindo.

Durante a invasão, o grupo formado por pistoleiros e militares atacou a comunidade indígena e destruíram moradias, ponte, dois portões, galinheiro, depósito de mudas, instrumentos de trabalho e uma casa de reza. 

Policiais militares invadem aldeia Ka’aguy Mirim Porã, na TI Tarumã. Foto: CGY

Judiciário aprova despejo em território indígena demarcado

A decisão judicial que ordenava o despejo foi deferida em dezembro de 2021, por Daniel Radunz, Juiz de Direito da 1ª Vara da Comarca de Araquari, que a concedeu em benefício da empresa Tacolindner Administração e Comercialização de Bens.

A decisão do juiz foi arbitrária, uma vez que a área se trata de uma terra indígena identificada e delimitada em 2008. Além disso, ignorou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu despejos e desocupações até junho de 2022. 

Após a resistência dos indígenas, o juiz voltou atrás na decisão alegando que não sabia que se tratava de TI.

A parcialidade do judiciário diante dos territórios indígenas

Apesar da tardia admissão de que este se tratava de um território indígena reconhecido até mesmo dentro dos parâmetros do velho Estado, a nova decisão ainda é uma exceção à regra. 

É vasto o número de ações denunciadas pelos povos indígenas como injustas, que servem aos interesses das classes dominantes. Em dezembro de 2021, a Juíza Sissi Marlene Dietrich Schwantes, da Vara Cível Única de Alto Alegre, em Roraima autorizou o despejo dos povos Macuxi, Wapichana e Sapará na Terra Indígena Pium, em favor de latifundiários sojeiros. Em janeiro de 2022, uma juíza autorizou o despejo dos indígenas residentes na Terra Indígena Barra Velha, em Prado, no Extremo Sul da Bahia. Estes são apenas alguns exemplos.

O judiciário cada vez mais demonstra com suas decisões arbitrárias que tendem a facilitar as expulsão de indígenas, quilombolas e camponeses nas áreas de terras de interesse dos latifundiários, sendo usado apenas como mais um instrumento do capitalismo burocrático. 

Assim a democracia burguesa enaltecida pelos oportunistas como “Estado Democrático de Direito”, segue garantindo os privilégios do latifúndio, da grande burguesia e do imperialismo em nosso país. Entretanto, os povos indígenas seguem resistindo às investidas reacionárias contra seus territórios.

Indígenas denunciam empresa BMW

Os guaranis denunciam também que em 2013 uma fábrica da BMW se instalou na região sem consulta prévia, muito menos sem o consentimento da comunidade. Segundo os indígenas, em dezembro de 2021 a BMW apresentou à Fundação Nacional do Índio (Funai) um novo Plano Básico Ambiental (CI-PBA), violando outra vez o direito constitucional dos povos indígenas de serem consultados previamente.

O novo CI-PBA nunca foi apresentado ou aprovado pelas comunidades, nele a empresa monopolista ignora os principais impactos causados ao povo Guarani. 

Desde o ingresso da BMW na região do TI Tarumã, o território tem se tornado área de interesse do latifúndio.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin