Suécia: Massas combatem fascistas e incendeiam viaturas

Os manifestantes incendiaram um ônibus da polícia no parque Sveaparken em Orebro, , 15 de abril de 2022. Foto: Kicki Nilsson

A partir do dia 14 de abril, início do ramadão islâmico, grandes enfrentamentos têm acontecido entre as massas suecas, imigrantes contra grupos fascistas e a polícia. As batalhas de rua começaram quando um partido de extrema-direita organizou manifestações com a queima do Corão em diversas cidades suecas. Em resposta a isso, imigrantes responderam combatendo os grupos chauvinistas.

Até o dia 18/04, cerca de 26 policiais e 14 manifestantes, entre fascistas e massas populares em dados totais, ficaram feridos, e 20 veículos policiais foram danificados pelas massas, além de ônibus municipais. Um total de 11 pessoas foram detidas e três pessoas foram presas na cidade de Malmö. A imensa maioria de feridos e presos, entretanto, eram mulçumanos.

Kim Hild, porta-voz da polícia no sul da Suécia, havia dito no dia 16/04 que a polícia “não revogaria a permissão” para a manifestação fascista de queima do Corão em Landskrona, porque o “limite de liberdade de expressão é muito alta na Suécia”.

Sendo assim, três muçulmanos foram atingidos por estilhaços de bala após a polícia sueca ter atirado com armas de fogo contra a massa que protestava em Norrkoping, em 17/08. Os três feridos foram em seguida presos.

Povo impede manifestação fascista

Parque Sveaparken em Orebro em 15 de abril de 2022. Foto: CFP

Antes que os fascistas do partido “Linha Dura” (Stram Kurs em suéco) pudessem lograr com suas manifestações anti-povo, centenas de massas muçulmanas e proletárias entraram em confronto com os grupelhos e saíram vitoriosas, impedindo a realização delas. A polícia, que agiu ativamente na proteção das manifestações e dos fascistas, também foi alvo de ataques do povo, que atiraram pedras e coquetéis molotov

A maioria das manifestações da extrema-direita chauvinista sueca contou com a presença do líder do Stram Kurs, o fascista Rasmus Paludan, que realiza a queima do Corão publicamente há anos, e emite discursos reacionários, principalmente em datas caras aos muçulmanos, enquanto insufla e dirige milícias de extrema-direita que realizam ataques contra muçulmanos.

No dia 14/04, além da cidade de Malmö, ocorreram enfrentamentos em Estocolmo (capital), na cidade central de Orebro, nas cidades de Linkoping e Norrkoping, no leste, e na cidade sul de Landskrona. Já no dia 16/04, quatro policiais ficaram feridos enquanto tentavam proteger fascistas que queimavam o Corão em Orebro. As massas quebraram o cordão policial que buscava isolar o Stram Kurs dos manifestantes.

No mesmo dia, em um parque em Malmö, Rasmus Paludan e seus asseclas foram apedrejados. O próprio Paludan foi atingido na perna por uma pedra. No dia 17/04, em Norrkoping, uma grande manifestação popular tomou lugar após Paludan afirmar que pretendia ir até a cidade. No entanto, ele nunca apareceu lá. 

O chefe da polícia nacional da Suécia, Anders Thornberg, disse que nunca viu manifestações tão violentas como os confrontos do dia 17/04 em Norrkoping. E em um comunicado divulgado por seu partido de extrema-direita anti-imigrantes, o fascista Paludan disse que cancelou a palestra porque as “autoridades suecas mostraram que são completamente incapazes de proteger a si e a mim". 

No dia 14/04, Paludan apareceu na cidade central de Jonkoping, mas enquanto falava em um megafone enquanto segurava um Corão para ser queimado, suas palavras foram abafadas a todo momento por um padre tocando os sinos de uma igreja local em protesto. 

Os manifestantes incendiaram um ônibus da polícia no parque Sveaparken em Orebro, , 15 de abril de 2022. Foto: Kicki Nilsson

Resistência popular muçulmana na Suécia

Nos anos de 2003 e 2005 ocorreram ataques incendiários à Mesquita de Malmö. Em 2014, três mesquitas na Suécia foram incendiadas e outras foram pichadas com frases racistas.

Um relatório da Pew Research de 2017 documenta a população muçulmana em 8,1% da população total da Suécia de 10 milhões (aproximadamente 810 mil). Os imigrantes na Suécia são três vezes mais passíveis de estarem desempregados do que nativos. Eles vivem em comunidades segregadas e o número de escolas no país não é o suficiente para a matrícula de crianças migrantes.

Manifestantes queimam uma barricada na entrada de um centro comercial em Norrkoping, Suécia. Foto: Stefan Jerrevang

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin